Publicado 24 de Fevereiro de 2021 - 17h06

Por Lucas Rossafa/ Correio Popular

O técnico pontepretano, graduado e pós graduado pela Unicamp, tem experiência adquirida no futebol

Divulgação

O técnico pontepretano, graduado e pós graduado pela Unicamp, tem experiência adquirida no futebol

Aposta da diretoria para disputa do Campeonato Paulista, Fábio Moreno desafia tabu de nove anos no Estádio Moisés Lucarelli: tornar-se o primeiro treinador na Ponte Preta, depois de 2011, a iniciar e encerrar os trabalhos à frente do elenco na mesma temporada.

O último técnico a alcançar tal feito foi Gilson Kleina, no início da década de 2010, logo na primeira passagem pela Alvinegra.

Na ocasião, o paranaense foi o responsável por conduzir o elenco ao acesso na Série B do Campeonato Brasileiro, com o terceiro lugar e 63 pontos.

A estreia aconteceu em 16 de janeiro de 2011, em derrota diante do Mirassol, pelo placar de 2 a 1, fora de casa, na abertura do Estadual.

Durante esse período, chegou às quartas de final do Paulistão de 2011 e à semifinal do Estadual de 2012.

Outra campanha positiva na trajetória inicial de Kleina pelo Majestoso foi na Copa do Brasil de 2012, com eliminação nas oitavas de final e, por fim, acerto com o Palmeiras. O treinador despediu-se da Ponte com 115 jogos, 48 vitórias, 32 empates e 35 derrotas.

A diretoria, na época presidida por Márcio Della Volpe, que apostou na contratação de Guto Ferreira até o fim de 2012.

"A minha vida toda foi voltada para o futebol. Eu já passei por alguns setores do futebol. Eu comecei lá embaixo. Eu tenho comigo uma missão de valorizar todos os profissionais que integram o departamento, porque sei bem que quem faz as coisas acontecer não é quem está ali na ponta da lança e com a luz na cabeça. São todos os outros que o integram, que trabalha no dia a dia e que dão a condição para que o treinador faça o seu trabalho", comentou Moreno.

"Eu, por conta da minha formação toda no futebol, procuro valorizar muito isso. Eu acho que me preparei, fiz cursos, sou formado na Unicamp e pós-graduado. Fiz o curso da CBF de treinador, estágio em todo lugar e tive a oportunidade de trabalhar dez com o Abel Braga. É uma grande referência profissional para mim", emendou.

De Gilson Kleina para cá, a Ponte Preta não conseguiu dar sequência a um trabalho de forma tão longeva e amargou contratações e demissões de técnicos até o fim de 2020.

 

Nos nove últimos anos, 14 treinadores distintos foram escolhidos para comandar a Macaca.

Escrito por:

Lucas Rossafa/ Correio Popular