Publicado 08 de Fevereiro de 2021 - 12h21

Por Da redação

Com reabertura do com?rcio na fase amarela, consumidores foram ? compras ontem em Campinas

Importação

Com reabertura do com?rcio na fase amarela, consumidores foram ? compras ontem em Campinas

No retorno à fase amarela (menos restritiva) do Plano São Paulo de combate ao coronavírus, neste final de semana, em Campinas, a população foi às compras, ansiosas em retomar uma aparente vida normal, apesar das mais de 230 mil mortes por covid-19 em todo o País. O clima era de fim da pandemia, com amigos se reencontrando em bares e restaurantes, com a sensação de uma vida voltando a normalidade.

No vai e vem da flexibilização, o comércio não essencial, incluindo bares e restaurantes, pôde voltar a abrir também aos sábados e domingos, com atendimentos presenciais limitados a 40% do total de ocupação para todos os setores. Mas não foi muito bem o que aconteceu nas lojas do centro.

No calçadão da 13 de maio, uma loja fazia promoção e pessoas se aglomeravam para não perder o desconto. Mesmo sabendo da falta de cuidado, Maria de Fátima Rodrigues tentou disputar um espaço ali no meio. "Muita aglomeração, né? Mas eu só entrei pra dar uma olhadinha nas roupas, só", justifica.

Já a Mariluce Lopes de Jesus disse que só saiu de casa porque precisava comprar o material escolar para a filha, que volta amanhã às aulas. "Eu vim rapidinho porque não pode abusar, né! Até porque está um pouco abusivo isso, muita gente sem máscara", explica.

Otimismo

Embora algumas lojas não estejam respeitando as regras impostas pelo governo, a gerente de uma outra loja de roupas, que cumpriu todas as medidas exigidas pelo governo, está otimista, depois de sofrer com quase 50% de queda nas vedas. "A gente sabe que recomeçar é sempre difícil, mas só o fato de ter saído dessa fase vermelha nos finais de semana deixa a gente animada e esperançosa que as coisas vão melhorar daqui pra frente", explica Aparecida Pereira.

Além de poder ir às compras, muita gente também estava na expectativa de poder sentar em uma mesa de bar e se divertir com os amigos, ainda mais com os termômetros marcando 30 graus durante a tarde. "Eu estava muita ansiosa para achar um lugar legal para sair, porque tudo estava fechado. Que bom que abriu e tem lugar para sair, se divertir, já que a semana passada ficamos dentro de casa", diz Maisa Camargo, que é auxiliar administrativo.

O Rodolfo está um pouco mais preocupado, foi a primeira vez que saiu de casa esse ano para se divertir. "Estou mantendo distanciamento e ao mesmo tempo a gente fica empolgado porque começa a reencontrar os amigos, mas eu estou tentando voltar um pouco a vida ao normal", conta Rodolfo Remédio.

Mesmo com a retomada, a preocupação ainda é grande para os donos desses estabelecimentos. Em um dos bares mais tradicionais da Campinas, com 60 anos de história, a cena hoje é bem diferente daquela de antes da pandemia, com mesas próximas, pessoas em pé e muita aglomeração.

Hoje, as mesas respeitam o distanciamento exigido. Além disso, tem horário para poder vender bebida alcoólica, o que prejudica bastante as vendas, que já tem queda de cerca de 70%. "É uma situação muito difícil, se não vier flexibilização muitos donos de bares e restaurantes podem vir a fechar as portas,", desabafa José Antonio dos Santos, dono do bar.

Quem também aproveitou e logo correu pro bar foi o aposentado Cláudio Ribeiro da Silva. Na semana passada, com tudo fechado ele deu um jeito pra tomar aquela gelada e encontrar os amigos. "A gente foi lá no bar do bairro, comprou cerveja e levou pra tomar na esquina, porque pra mim tem que viver normal", conta.

Escrito por:

Da redação