Publicado 28 de Fevereiro de 2021 - 18h00

Por AFP

Oito manifestantes morreram neste domingo em Mianmar em ações das forças de segurança, que dispersaram de maneira violenta várias aglomerações, no dia mais violento de protestos contra o golpe de Estado militar.

O país é cenário de uma onda de manifestações pró-democracia e de uma campanha de desobediência civil desde o golpe de Estado militar que derrubou o governo civil liderado por Aung San Suu Kyi no dia 1º de fevereiro.

Os protestos são reprimidos de forma cada vez mais violenta, com gás lacrimogêneo, jatos de água, balas de borracha e, em alguns casos, munição letal. A ONU condenou a repressão em Mianmar e afirmou que recebeu informações confiáveis de que pelo menos 18 pessoas teriam morrido nas manifestações, balanço que a AFP não pôde confirmar de forma independente.

"Condenamos com força a escalada da violência contra manifestantes em Mianmar e pedimos aos militares o fim imediato do uso da força contra manifestantes pacíficos", afirmou Ravina Shamdasani, porta-voz da do Escritório de Direitos Humanos da ONU, em um comunicado. "Durante o dia, em vários lugares de todo o país, as forças policiais e militares atuaram contra manifestações pacíficas, usando força letal e não letal que, segundo informações confiáveis recebidas pelo Escritório de Direitos Humanos da ONU, deixou pelo menos 18 mortos e mais de 30 feridos", disse.

"O uso da força letal contra manifestantes pacíficos e as prisões arbitrárias são inaceitáveis", declarou o secretário-geral da ONU, António Guterres.

Os números confirmados pela AFP mostram que três homens morreram em uma manifestação na cidade de Dawei, sul do país, onde 20 pessoas também foram feridas, de acordo com as equipes de emergência e a imprensa local.

As vítimas morreram depois que foram "atingidas por tiros de munição letal", disse à AFP Pyae Zaw Hein, um socorrista voluntário. Os feridos receberam impactos de balas de borracha, explicou, antes de alertar para a possibilidade de "mais vítimas porque continuamos recebendo feridos".

Outros dois jovens de 18 anos morreram na cidade de Bago, segundo as equipes de emergência. Os óbitos foram confirmados pela imprensa da localidade, que fica ao norte de Yangon.

Uma sexta pessoa faleceu em Yangon, informou no Facebook um ex-deputado do governo civil derrubado pelos militares, Nyi Nyi. A vítima era um jovem de 23 anos atingido por tiros.

Em Mandalay, um médico informou à AFP que dois homens morreram depois que foram feridos a tiros.

O comandante da junta militar, general Min Aung Hlaing, afirmou que as autoridades usaram o mínimo de força para dispersar as manifestações.

Mas com as oito vítimas fatais de domingo, o balanço de manifestantes mortos desde 1º de fevereiro subiu para 13. O exército afirma que um policial morreu quando tentava dispersar um protesto.

"A clara escalada do uso de força letal em várias cidades do país é escandalosa e inaceitável, e deve parar imediatamente", afirmou Phil Robertson, subdiretor da divisão Ásia na ONG Human Rights Watch.

Em Yangon, as forças de segurança dispersaram rapidamente um protesto neste domingo.

Escrito por:

AFP