Publicado 26 de Fevereiro de 2021 - 11h54

Por AFP

Trinta anos depois da morte de Serge Gainsbourg, sua filha Charlotte rompe com sua discrição habitual e fala sobre o eterno ícone da música francesa, rei da provocação, que não teria encontrado seu lugar neste "mundo tão censurado".

"Durante muito tempo eu evitei dar entrevistas sobre ele, marcar sua morte, era um aniversário doloroso. Precisei de 30 anos para dar este passo", explica à AFP a atriz e cantora, filha de Gainsbourg e de Jane Birkin.

A França volta a homenagear o grande legado do compositor, com documentários, livros e novas edições de álbuns, enquanto sua filha planeja abrir em breve para o público a casa parisiense onde seu pai faleceu em 2 de março de 1991, aos 62 anos, vítima de uma parada cardíaca. Ela tinha apenas 19.

Gainsbourg, que prepara o lançamento de um novo álbum, admite que a figura de seu pai deixou "o padrão muito, muito alto".

Pergunta: Em qual fase está seu projeto de abrir ao público a casa da rua Verneuil, onde seu pai morava?

Resposa: "Está em andamento. Durante os primeiros 10 anos, quando eu era a que estava mais convencida, foi muito complicado. Depois, voltei atrás porque era o que me restava dele. Guardava como um tesouro. Mas quando fui a Nova York há seis anos - agora já estou de volta em Paris -, compreendi que deveria fazer isso. Pelas pessoas, mas também pela minha saúde mental, deveria me distanciar".

P: Como você descreveria sua casa?

R: "É uma mansão, as pessoas não vão descobrir coisas de sua obra, mas da estrutura de seu trabalho, da sua personalidade. É surpreendente: as pessoas têm a imagem de artistas em espaços imensos, luxuosos, mas a de lá é relativamente modesta. O teto não é alto, a cozinha é minúscula. A princípio, era nossa casa, com minha mãe, minha irmã, ele e eu. Na época de minha mãe, havia poucas coisas, depois os objetos começaram a se acumular, de forma organizada (risos). Era difícil andar sem medo de quebrar alguma coisa".

P: Qual objeto você gosta em particular?

R: "Tem um busto da minha mãe, é emocionante, precioso. No início era de gesso, mas (Gainsbourg) o refez em bronze".

P: Tem alguma data de abertura?

R: "Esperávamos que fosse em março, mas é impossível (com a crise de saúde). Esperamos que seja antes do fim do ano".

Escrito por:

AFP