Publicado 26 de Fevereiro de 2021 - 10h10

Por AFP

Vinte e cinco anos após seu surgimento, Pokémon continua seduzindo adultos e crianças: o fenômeno vinculado aos jogos eletrônicos e desenhos animados com os adoráveis monstros japoneses está mais autal do que nunca.

O ano 2020, marcado pela pandemia e que impulsionou a demanda de jogos eletrônicos em todo o mundo, também foi o mais lucrativo até agora para Pokémon Go, a adaptação do jogo para smartphones disponível desde 2016.

"Os personagens são tão cativantes e a mecânica dos diferentes jogos tão bem executada que (o fenômeno) é atemporal", disse à AFP o autor especialista na cultura pop japonesa, Brian Ashcraft.

O acervo desses "monstros de bolso" (Pokémon é a contração de "pocket monsters"), rico em centenas de criaturas inspiradas em animais ou na mitologia, continua crescendo.

O fenômeno, que chegou a diversos objetos, bichos de pelúcia e adaptações cinematográficas, vendeu mais de 368 milhões de jogos e 30 bilhões de cartas, segundo a Companhia Pokémon, em parte propriedade da Nintendo.

Atsuko Nishida, que desenhou o personagem do rato elétrico Pikachu, disse que se inspirou em um bolo japonês feito com arroz pegajoso, e seus colegas, seduzidos, a incentivaram a deixar o personagem ainda mais adorável.

O encanto do vocabulário limitado de Pikachu, baseado em sílabas de seu próprio nome como "pika-pika" ("brilhante" em japonês), também contribuiu para a adoção em massa do personagem por parte dos fãs.

Para Jason Bainbridge, professor da Universidade de Canberra e que escreveu extensamente sobre os Pokémon, as imagens do jogo próximas à realidade e seus inúmeros personagens são a chave do sucesso.

As celebrações do 25 aniversário estão em grande parte em sigilo devido à pandemia, mas no sábado haverá um concerto virtual que contará com a participação do rapper Post Malone, fã declarado do desenho.

Se continuar se adaptando à realidade, o fenômeno poderia facilmente durar mais 25 anos, segundo Bainbridge.

O jogo para celulares, Pokémon Go, que introduziu mecanismos de geolocalização de realidade aumentada, "realmente ressuscitou a franquia: todos conhecíamos Pokémon, mas de repente todos queríamos voltar a jogar", comenta.

Apesar dos diversos acidentes causados por jogadores imprudentes, os caçadores de Pokémon ainda estão nas ruas, especialmente em Tóquio.

Escrito por:

AFP