Publicado 25 de Fevereiro de 2021 - 16h30

Por AFP

O padre acusado de abuso sexual durante sua adolescência contra outro menor dentro de uma residência para adolescentes do Vaticano deveria indenizar a suposta vítima, solicitou um bispo no tribunal do Vaticano que o julga.

O padre Gabriele Martinelli, que era coroinha na adolescência enquanto comparecia ao pré-seminário San Pio X dentro do Vaticano, deveria indenizar com 20.000 euros (24.500 dólares) sua vítima, segundo solicitado oficialmente.

A Justiça vaticana decidiu em outubro abrir um julgamento contra o padre após a publicação do livro "Pecado original" do jornalista italiano Gianluigi Nuzzi, no qual ele denuncia os abusos cometidos nesse pré-seminario entre 2011-2012.

Segundo os relatos, o acusado e a vítima tinham 14 e 13 anos no momento dos fatos, que se prolongaram por cinco anos.

Martinelli, que foi ordenado padre em 2017, atualmente com 29 anos, foi acusado de repetidas agressões sexuais entre 2007 e 2012.

O pedido de uma sanção econômica para Martinelli foi feito nesta quinta-feira (25) durante o julgamento no Vaticano pelo bispo de Como, Oscar Cantoni.

O bispo confirmou que entre setembro de 2006 e junho de 2012 recebeu relatos sobre o padre e sobre sua "conduta sexualmente inadequada", mas reconheceu que nos anos em questão "ele não era clérigo e não existe uma norma para esses casos", explicou.

"Desde que reside em Como, primeiro como diácono e depois como padre, não recebemos queixas. Foi uma tendência homossexual temporária vinculada à puberdade", afirmou Cantoni sobre Martinelli.

bur-kv/mb/aa

Escrito por:

AFP