Publicado 24 de Fevereiro de 2021 - 11h50

Por AFP

Cerca de 23 toneladas de cocaína foram encontradas em contêineres nos portos de Hamburgo e Amberes, anunciou nesta quarta-feira (24) o serviço de alfândega alemão, referindo-se à maior apreensão da história na Europa.

Cerca de 16 toneladas foram apreendidas em Hamburgo (norte da Alemanha) em cinco contêineres procedentes do Paraguai, informou a alfândega, acrescentando que esta operação permitiu encontrar também outras sete toneladas armazenadas em Amberes (norte da Bélgica).

A quantidade total desses materiais apreendidos chegaria a "vários bilhões de euros", segundo a alfândega.

Um homem de 28 anos foi detido na Holanda, suspeito de ser o responsável pela importação das 23 toneladas de cocaína, segundo o serviço de alfândega.

Os investigadores também revistaram dois locais, um em Rotterdam e outro em uma cidade próxima. A polícia holandesa declarou que o material ilícito interceptado tinha "o mesmo destino na Holanda".

"O conjunto de mega remessas apreendidas com destino à Holanda constitui um recorde absoluto. Nunca antes tanta cocaína foi interceptada de uma só vez", disseram em um comunicado.

Os funcionários da alfândega do porto de Hamburgo decidiram analisar mais de perto os contêineres paraguaios após alertarem "claras irregularidades" em seu conteúdo. As latas em questão deveriam estar repletas de massa.

"Embaixo de uma camada de mercadoria autêntica empacotada atrás da porta do contêiner, várias latas estavam na verdade preenchidas com outras mercadorias", disse a alfândega.

No total, foram descobertas 16 toneladas em cerca de 1.700 latas.

A investigação continua na Alemanha, Holanda e Bélgica e poderia gerar mais detenções.

"Essa é a maior quantidade de cocaína já apreendida na Europa e uma das maiores apreensões individuais em todo o mundo", declarou a alfândega alemã.

No total, no ano passado, 102 toneladas de cocaína foram interceptadas com destino ao continente europeu graças a um projeto internacional de aplicação da lei, implementado junto com as Nações Unidas.

mat/ilp/mar/zm/aa

Escrito por:

AFP