Publicado 23 de Fevereiro de 2021 - 21h30

Por AFP

A esposa do ex-traficante mexicano Joaquín "El Chapo" Guzmán foi detida sem direito a fiança nos Estados Unidos nesta terça-feira (23), depois de ser presa nos arredores de Washington, acusada de tráfico de drogas.

Emma Coronel Aispuro, de 31 anos, pode pegar no mínimo 10 anos e no máximo a prisão perpétua nos Estados Unidos por sua participação no tráfico de drogas do Cartel de Sinaloa, liderado por seu marido, disse a juíza Robin Meriweather, do tribunal federal do Distrito de Columbia.

O magistrado disse que ela também poderia ser multada em 10 milhões de dólares.

A ex-miss, com dupla nacionalidade americana e mexicana, compareceu à audiência preliminar por videoconferência devido à pandemia da covid-19.

"Entendi tudo muito bem, obrigada", disse Coronel em espanhol ao final de sua apresentação, quando questionada por meio de um tradutor se precisava de esclarecimento sobre algum aspecto do procedimento.

Foi a frase mais longa que Coronel proferiu durante a audiência, realizada pouco depois do meio-dia local e que os jornalistas puderam acompanhar por telefone.

A esposa de "El Chapo", o traficante de drogas mais poderoso do mundo antes de ser extraditado para os Estados Unidos em 2017, foi presa na segunda-feira no Aeroporto Internacional Dulles, nos arredores de Washington. Dois anos antes, seu marido havia sido considerado culpado em Nova York por despachar toneladas de drogas para os Estados Unidos por mais de 25 anos.

Coronel compareceu quase diariamente ao julgamento histórico de "El Chapo", que desde sua sentença, em julho de 2019, está cumprindo prisão perpétua no presídio de segurança máxima ADX, no Colorado.

Sentada no banco do público, Coronel, 32 anos mais jovem que "El Chapo", foi algumas vezes apresentada como sua cúmplice. Mas ao final do processo contra o marido, garantindo não ter "nada" do que se envergonhar.

Coronel enfrenta uma acusação de conspiração para distribuir nos Estados Unidos cinco quilos ou mais de cocaína, um quilo ou mais de heroína, 500 gramas ou mais de metanfetamina e mil quilos ou mais de maconha, além de uma acusação adicional para "ajudar e incitar" um crime.

Um dos advogados de Coronel, Jeffrey Lichtman, o mesmo que defendeu "El Chapo", disse à AFP na segunda-feira que sua cliente se declararia inocente. Mas nenhuma declaração foi feita nesta primeira audiência.

Lichtman disse ao tribunal na terça-feira que planeja entrar com um pedido em breve para que Coronel, a mãe das duas filhas gêmeas de "El Chapo", de 9 anos, seja libertada sob fiança.

A denúncia criminal, datada de 17 de fevereiro e assinada pelo agente especial do FBI Eric McGuire, alega que Coronel colaborou com outras pessoas para a fuga espetacular de seu marido da prisão em 11 de julho de 2015.

Então, "El Chapo" fugiu da prisão mexicana de El Altiplano, localizada em Almoloya de Juárez, através de um túnel subterrâneo de 1,5 km de extensão que tinha uma entrada para o chuveiro de sua cela.

Guzmán ficou foragido até 8 de janeiro de 2016, quando foi capturado pelas autoridades mexicanas em Los Mochis, Sinaloa. Mas ele tentou fugir novamente, e para isso mais uma vez teve a colaboração de Coronel, que segundo os autos pagou somas milionárias para sustentar o plano.

Escrito por:

AFP