Publicado 21 de Fevereiro de 2021 - 20h10

Por AFP

Um prisioneiro condenado por uma manifestação organizada em 2018 por uma irmandade sufi morreu dias depois de ser hospitalizado por "intoxicação", anunciaram neste domingo (21) as autoridades judiciais iranianas.

Behnam Mahjoubi, membro do grupo Gonabadi Sufi, cumpria uma sentença de dois anos de prisão.

Várias ONGs, como a Amnistia Internacional, alertaram na semana passada para o caso deste "prisioneiro de consciência" iraniano detido desde junho de 2020, que foi recentemente hospitalizado em Teerã em estado crítico, segundo eles.

A ONU afirmou que Mahjoubi estava "gravemente doente" e expressou grande preocupação com a "falta de transparência" das autoridades iranianas desde que ele entrou em coma em 12 de fevereiro.

Mahjoubi "foi recentemente intoxicado pelo uso arbitrário de medicamentos e foi imediatamente enviado a um hospital em Teerã", disse a instituição penitenciária em um comunicado publicado pelo site Mizan Online. "Apesar dos esforços da equipe médica, o preso morreu", acrescentou.

A nota cita companheiros de cela de Mahjoubi, que afirmaram que ele "consumiu conscientemente e sem consultar um médico vários de seus medicamentos e os de outros prisioneiros".

Essas versões estão sendo investigadas, de acordo com a instituição. A causa exata da morte será determinada por autópsia.

amh/kam/feb/awa/jvb/dg/ic

Escrito por:

AFP