Publicado 21 de Fevereiro de 2021 - 17h30

Por AFP

Mianmar homenageou, neste domingo (21), a primeira vítima da repressão militar, uma jovem de 20 anos que se tornou ícone da resistência ao golpe de Estado, objeto mais uma vez de manifestações, apesar da letal violência da polícia.

O enterro de Mya Thwate Thwate Khaing, baleada em 9 de fevereiro e falecida dias depois, aconteceu nos arredores da capital, Naipyidó, na presença de milhares de pessoas.

Com três dedos erguidos em sinal de resistência ante a passagem do cortejo fúnebre, a multidão gritou "Abaixo a ditadura" e "Lutaremos até a vitória", até se dispersar silenciosamente.

A escalada de tensões levou a novas sanções internacionais, as quais o Ministério birmanês das Relações Exteriores condenou neste domingo. De acordo com nota divulgada pela pasta, trata-se de "flagrante ingerência" nos assuntos internos do país.

"Apesar das manifestações ilegais, das incitações a confrontos e da violência, as autoridades [birmanesas] demonstram a maior prudência, recorrendo o mínimo possível à força para enfrentar os distúrbios", afirmou o Ministério no mesmo comunicado.

Quase três semanas depois do golpe militar de 1º de fevereiro, a mobilização a favor da democracia se mantém em todo país, tanto nas grandes cidades quanto nas áreas rurais.

"Estamos dispuestos a perder la vida. Lucharemos hasta el final", afirmó un manifestante de 26 años en Rangún, la capital económica.

Milhares de manifestantes marcharam perto do campus universitário principal de Yangon, neste domingo, assim como em Mandalay, palco da repressão mais severa desde o golpe de sábado.

Nesta cidade do centro do país, a polícia disparou contra manifestantes que foram apoiar os trabalhadores de um estaleiro em greve, causando a morte de duas pessoas e deixando 30 feridos.

"Duas pessoas foram mortas, incluindo um menor que foi baleado na cabeça", e cerca de 30 ficaram feridas, disse Hlaing Min Oo, chefe de uma equipe de socorristas voluntários.

"Metade das vítimas foi atingida por munição real", acrescentou Hlaing Min Oo.

Médicos que trabalham no terreno, e que não quiseram revelar sua identidade por temor de represálias, confirmaram que foram usadas balas de verdade.

Mais de dez pessoas foram presas, segundo a imprensa local.

O jornal estatal "Global New Light of Myanmar" não mencionou as vítimas e culpou os manifestantes por seu comportamento "agressivo". Disse ainda que três soldados e oito policiais ficaram feridos.

No sábado, um homem de 30 anos morreu em Yangon, quando fazia uma ronda perto de sua casa, como parte de uma iniciativa de cidadãos para evitar a prisão noturna de oponentes do regime.

"A polícia o matou", disse sua cunhada.

Escrito por:

AFP