Publicado 19 de Fevereiro de 2021 - 11h00

Por AFP

A União Europeia condenou, nesta sexta-feira (19), a "intimidação" e a condenação judicial a jornalistas em Belarus, considerando que essa conduta "deve acabar" para permitir que os repórteres possam realizar seu trabalho no país.

"Condenamos todos os ataques à imprensa. Pedimos às autoridades [de Belarus] que parem de atacar os veículos de imprensa e que permitam que façam seu trabalho, porque Katerina [Bajvalova] e Daria [Shultsova] foram condenadas por fazer seu trabalho como jornalistas", disse o porta-voz da diplomacia da UE, Peter Stano.

"Estamos sendo testemunhas desta intimidação contínua que se intensificou esta semana, não só com a condenação de Katerina e Daria, mas também com as buscas policiais nas casas de ativistas e membros da sociedade civil, defensores dos direitos humanos, sindicatos, e também vários jornalistas. Mais uma vez, isso é inaceitável", acrescentou.

A situação em Belarus será objeto de discussões em uma reunião de ministros das Relações Exteriores da UE em Bruxelas na segunda-feira.

A UE já sancionou o presidente bielorrusso Alexander Lukashenko, seu filho e 53 membros de seu entorno, incluindo ministros e chefes de polícia responsáveis pela repressão aos protestos depois das eleições presidenciais de 9 de agosto.

A UE não reconhece o resultado dessas eleições e alega que Lukashenko não possui "legitimidade democrática".

Stano já havia denunciado na quinta-feira a pena de dois anos de prisão imposta a Shultsova e Bajvalova, dois jornalistas do canal opositor Belsat, que tem sua sede na Polônia.

csg/ahg/mis/aa

Escrito por:

AFP