Publicado 19 de Fevereiro de 2021 - 10h00

Por AFP

Nas ruínas de uma antiga igreja bizantina no norte da Jordânia, especialistas jordanianos e refugiados sírios trabalham juntos em um projeto para restaurar o patrimônio cultural que ajuda a combater a pobreza e o desemprego.

Com pinças e pincéis, os trabalhadores restauram meticulosamente um piso de mosaico na igreja de São João Batista, construída em 619 d.C.

É um dos três pisos de mosaico que estão sendo ou já foram restaurados na pequena cidade de Rihab, adições importantes ao impressionante patrimônio de tesouros nacionais.

O mosaico mais conhecido da Jordânia representa um dos mapas mais antigos da Terra Santa, consistindo em mais de um milhão de tesselas originalmente montadas no chão da igreja bizantina do século VI em Madaba.

"Não acho que haja outro país com tantos pisos de mosaico da era bizantina", diz o especialista italiano de 54 anos Franco Sciorilli, que supervisiona o trabalho.

Rihab, localizada 70 km ao norte da capital Amã e perto da fronteira com a Síria, já abrigou cerca de 32 igrejas, a maioria da época bizantina, de acordo com Sciorilli.

Atualmente, só são visíveis as ruínas de cinco ou seis, entre elas as da catedral de São Jorge, construída no ano 230 e uma das mais antigas do mundo, afirma.

As demais continuam enterradas na areia.

Cerca de 300 pessoas, um quinto mulheres, trabalham no projeto-piloto de restauração desse patrimônio, dirigido pela Unesco e financiado pela Alemanha.

Todos os trabalhadores vivem em Rihab e cerca de um terço são sírios.

Para Walid al-Awad, que perdeu sua casa e seu emprego ao fugir da cidade de Daraa em meio à guerra na Síria em 2012, o projeto é um salva-vidas.

"Tenho orgulho de fazer parte da restauração e manutenção de monumentos históricos", diz este pai de seis filhos, de 45 anos.

"Isso me salvou financeiramente e ganhei muita experiência."

Ajoelhados sobre um pedaço de esponja, os trabalhadores se curvam sobre o mosaico marrom, branco e preto, cujo desenho representa os rios Tigre e Eufrates, bem como árvores, flores e figuras geométricas.

Escrito por:

AFP