Publicado 18 de Fevereiro de 2021 - 7h40

Por AFP

O governo australiano reagiu com irritação, nesta quinta-feira (18), ao bloqueio por parte do Facebook de notícias no país, em represália por um projeto de lei que pretende forçar a rede social a pagar a imprensa por utilizar seus conteúdos.

Nesta quinta-feira, os australianos que usam o Facebook não conseguiram consultar os links de notícias dos meios de comunicação locais, ou internacionais, e as pessoas que moram no exterior também não tinham acesso às informações australianas.

O ministro australiano das Finanças, Josh Frydenberg, chamou a medida do Facebook de "inútil e autoritária", algo que vai "manchar sua reputação na Austrália".

Frydenberg declarou que o governo está "totalmente determinado" a implementar seu projeto de lei que visa a obrigar as plataformas digitais a remunerarem a mídia pelo uso de seus conteúdos.

O projeto foi aprovado na semana passada pela Câmara dos Deputados e agora está sendo debatido no Senado.

"O que os eventos de hoje confirmam para todos os australianos é a posição de domínio destes gigantes em nossa economia", acrescentou, poucas horas depois de afirmar, no Twitter, que havia tido uma "conversa construtiva" com o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg.

Nesta quinta-feira, as contas na rede social dos serviços de bombeiros, saúde e meteorologia, que servem para alertar a população, pararam de funcionar.

Um porta-voz do Facebook afirmou que os sites oficiais do governo "não deveriam ser afetados" pelas represálias e prometeu o restabelecimento de todas as páginas que foram "afetadas por descuido".

Outros sites do país também foram atingidos pela medida e o funcionamento estava sendo normalizado com o passar das horas.

A diretora da ONG Human Rights Watch (HRW) na Austrália, Elaine Pearson, classificou o bloqueio - que também afetou ONGs e a página da HRW no Facebook - de "mudança preocupante e perigosa".

"Cortar o acesso a informações vitais para todo um país em plena noite é inadmissível", declarou.

O governo australiano e as empresas jornalísticas estão preocupados com uma eventual proliferação de informações falsas. Isto porque as páginas do Facebook que divulgam teorias da conspiração e "fake news" não foram afetadas pela medida.

O ministro das Comunicações, Paul Fletcher, pediu ao Facebook para refletir "cuidadosamente" sobre o bloqueio dos sites de organizações que empregam jornalistas profissionais e que têm uma política editorial e de verificação de informações.

O Facebook alega que não tem alternativa, exceto bloquear estas informações.

Escrito por:

AFP