Publicado 17 de Fevereiro de 2021 - 18h50

Por Estadão Conteúdo

A falta de combustível (gás natural) adiou a entrada em operação da Central Térmica Uruguaiana (CTU), no Rio Grande do Sul, prevista para iniciar a geração de energia elétrica no último sábado, 13, informou ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luiz Carlos Ciocchi.

A usina chegou a sincronizar uma unidade geradora, mas novos testes terão que ser realizados após terem sido constatados problemas técnicos.

O gás natural que abastecerá a térmica virá da Argentina, que há seis anos não exporta o insumo para o Brasil. O governo do país vizinho chegou a comemorar a volta da operação da unidade na última segunda-feira, que vai significar mais divisas de exportação.

"O lançamento da CTU é um passo em frente, fundamentalmente porque permite gerar divisas para a Argentina, mas também abre uma oportunidade para fortalecer o comércio internacional, os laços de integração energética e melhorar a balança comercial", disse em nota o secretário de Energia argentino, Darío Martine.

Cada dia de funcionamento da CTU implica em ingresso de divisas de até US$ 500 mil, com potencial de US$ 100 milhões por ano, se for exportada apenas fora do inverno, período em que o gás é necessário para atender a demanda local, ressaltou o governo argentino na nota oficial.

A mesma nota informou que a exportação dos excedentes de gás para o Brasil "é provisória" e a estimativa é de que o processo apenas se consolide nos próximos meses, "uma vez que tenha passado o inverno e o Plano de Gás comece a dar os resultados esperados, o que permitirá ao nosso país iniciar o caminho rumo à autossuficiência, com possibilidade de fazer exportações firmes tanto para o Chile como para o Uruguai e o Brasil", avaliou o governo em nota.

Procurada, a Saesa não havia retornado até a publicação dessa matéria para informar o novo prazo de entrada da unidade e o motivo da falta de combustível para a operação.

Ao todo serão exportados 2,4 milhões de metros cúbicos diários de gás natural para atender a geração da CTU quando a unidade estiver em sua operação máxima.

Reforço do SIN

Segundo o ONS, a geração inicial da térmica seria de 220 megawatts (MW), o que vai ajudar a reforçar o Sistema Interligado Nacional (SIN), que enfrenta uma das piores secas nos últimos anos, principalmente na região Sudeste. Mesmo em pleno período de chuvas, os reservatórios do subsistema Sudeste/Centro-Oeste estão operando com um quarto da sua totalidade (24,9%).

A CTU foi vendida pela AES para o grupo argentino Saesa Solución Energética em setembro do ano passado. A previsão é de que inicialmente gere 250 MW, de uma potência total instalada de 640 MW.

Construída na década de 1990 e inaugurada em 2000, a usina de Uruguaiana foi a primeira termelétrica a operar no Rio Grande do Sul, em plena crise de abastecimento de energia que culminou no racionamento entre 2001 e 2002 no Brasil. A operação foi interrompida em 2009, por conta da quebra de contrato dos fornecedores de gás natural, e reabriu em caráter emergencial em 2013, 2014 e 2015, por períodos temporários.

Os novos donos também são produtores de gás, segundo a Prefeitura de Uruguaiana (RS), o que deve fazer a unidade entrar em um "novo processo, mais promissor, por conta da companhia não depender de fornecedores externos", explicou a prefeitura em nota.

Quando entrar em operação, a CTU poderá enviar energia para os dois países através do Sistema Sul, de acordo com a prefeitura de Uruguaiana. "A estrutura deve atender à demanda brasileira, suprindo principalmente os períodos de seca, que prejudicam a produção das hidrelétricas espalhadas pelo território nacional", informou.

Escrito por:

Estadão Conteúdo