Publicado 17 de Fevereiro de 2021 - 17h40

Por AFP

O DNA mais antigo do mundo, com mais de um milhão de anos, foi recuperado nos dentes de mamutes enterrados no permafrost na Sibéria, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira.

As análises de três espécimes de mamute trazem luz sobre a Era do Gelo, quando os grandes mamíferos reinavam, e sobre a herança do mamute lanudo, cujos últimos espécimes desapareceram há 4.000 anos na Ilha Wrangel, na costa da Sibéria.

Os genomas decifrados superam em muito o DNA mais antigo sequenciado até agora, o de um cavalo que data de 500.000 a 700.000 anos de antiguidade.

Neste caso, o DNA "é incrivelmente antigo. As amostras são mil vezes mais antigas do que as dos restos viking, e até anteriores à existência de homens modernos e neandertais", entusiasma-se o professor Love Dalen do Centro de Paleontologia de Estocolmo, que supervisionou estudo publicado na revista Nature.

Os fósseis foram descobertos na década de 1970 na Sibéria, no permafrost, e preservados na Academia de Ciências, em Moscou.

Os pesquisadores conseguiram datar os dentes (molares) comparando-os com os de outras espécies, como pequenos roedores, também encontrados nas mesmas camadas sedimentares.

As primeiras comparações sugeriram que dois grandes mamíferos eram mamutes das estepes, com mais de um milhão de anos.

O "mais jovem" dos três espécimes, com cerca de 800.000 anos, era o mamute lanudo mais velho já descoberto.

klm-juc/fmp/it/es/mb/bn

Escrito por:

AFP