Publicado 16 de Fevereiro de 2021 - 17h20

Por AFP

A Justiça holandesa decidiu manter o toque de recolher decretado para enfrentar a covid-19 - após uma corte inferior ter ordenado a suspensão da medida - em um momento em que as restrições saturam a população em muitos países e a vacinação avança lentamente.

"Isto significa que o toque de recolher das 21h00 (20h00 GMT) continua em vigor", informou a emissora holandesa NOS e outros meios de comunicação, a partir da decisão de um tribunal de apelações.

Mais cedo, um tribunal de Haia havia ordenado que o toque de recolher, em vigor desde 23 de janeiro e que provocou os piores protestos das últimas décadas, fosse "levantado imediatamente".

"O toque de recolher é uma violação profunda do direito à liberdade de movimento e à vida privada", disse o tribunal.

Após a imposição do toque de recolher, o primeiro a ser aplicado na Holanda desde a Segunda Guerra Mundial, várias cidades foram palco de protestos gigantescos que culminaram em dezenas de prisões.

Em outros países da Europa, a frustração, a raiva e o cansaço também são sentidos. Na semana passada, o parlamento tcheco se recusou a prolongar o estado de exceção, como solicitado pelo governo, e em Viena tambem houve protestos contra as medidas.

"Perdi meu trabalho, sou enfermeira e não quero mais usar esta máscara de merda!", exclamou Sigrid, em uma manifestação que pedia a renúncia do chanceler, o conservador Sebastian Kurz.

Seria a mão dura a solução para cortar a pandemia pela raiz? Em países da Ásia e Oceania, começando pela China, as autoridades tomam medidas estritas nas áreas onde detectam surtos e as combinam com diagnósticos em massa.

Em pouco mais de um ano, a pandemia de coronavírus matou 2,4 milhões de pessoas em todo o mundo e infectou quase 110 milhões. Neste momento há restrições em vigor em praticamente toda Europa, enquanto a vacinação avança muito mais lentamente que o previsto.

A farmacêutica americana Johnson&Johnson (J&J) solicitou autorização para sua vacina na União Europeia, informou nesta terça-feira a Agência Europeia de Saúde (EMA), que pode tomar uma decisão até meados de março.

A Comissão Europeia "está pronta" para autorizá-la assim que a EMA a aprovar cientificamente, informou sua presidente, Ursula von der Leyen.

 

Mais de 180 milhões de doses de vacinas contra a covid foram aplicadas em ao menos 96 países ou territórios, de acordo com uma contagem realizada pela AFP a partir de fontes oficiais nesta terça-feira às 16h00 GMT.

Em escala mundial, os países com "alta" renda e "média alta" (segundo o Banco Mundial) concentram mais de nove de cada dez doses da injeção (93%), enquanto abrigam apenas a metade (53%) da população mundial.

Na América Latina, onde a pandemia matou mais de 642.000 pessoas e infectou 20 milhões, a vacinação avança de forma desigual e em alguns casos com irregularidades, como no Peru, onde membros do governo se vacinaram antes do início oficial da campanha.

Brasil, o segundo país do mundo com mais mortes por coronavírus - depois dos EUA - com quase 240.000 óbitos, vacinou apenas 2% de seus 212 milhões de habitantes, devido à ausência de diretrizes claras do governo federal e à falta de doses.

Escrito por:

AFP