Publicado 08 de Fevereiro de 2021 - 23h50

Por AFP

O líder indígena de esquerda Yaku Pérez e o ex-banqueiro de direita Guillermo Lasso travam uma disputa acirrada pelo segundo lugar na eleição presidencial do Equador, que aconteceu no domingo e teve como líder o socialista Andrés Arauz.

Com 97,56% das urnas apuradas, Pérez, um advogado ambientalista de 51 anos, aparece com 19,80% dos votos, enquanto Lasso, 65 anos, tem 19,60%, segundo o Conselho Nacional Eleitoral (CNE).

Arauz, economista de 36 anos e pupilo do ex-presidente socialista Rafael Correa (2007-2017), venceu o primeiro turno com 32,29% dos votos.

A apuração foi freada pela necessidade de revisão de 13,96% das atas por inconsistências.

O segundo turno está programado para 11 de abril, quando será definido o sucessor do impopular presidente Lenín Moreno, que não disputou a reeleição e cujo mandato de quatro terminará em 24 de maio.

Se a tendência for mantida, Pérez - com uma curta carreira política - será o rival de Arauz em um segundo turno inédito entre candidatos de esquerda no Equador, país de 17,1 milhões de habitantes, muito afetado pela pandemia e que enfrenta uma grande dívida econômica provocada pela queda dos preços do petróleo.

Duas pesquisas de boca urna divulgadas no domingo apontaram Lasso como o segundo colocado.

O CNE não tem prazo para proclamar resultados.

"Não há nenhuma dúvida, estamos em primeiro lugar, recebemos uma grande votação em diferentes partes de nossa pátria", celebrou Arauz após a votação, que também definiu os 137 membros da unicameral Assembleia Nacional.

Os equatorianos retornarão às urnas porque nenhum dos 16 candidatos obteve a metade mais um dos votos válidos ou alcançou 40% dos votos com uma diferença de 10 pontos para o segundo colocado, requisitos para definir a disputa no primeiro turno.

As eleições de domingo marcaram o ressurgimento de Correa, que mora na Bélgica e assim evita a pena de prisão a que foi condenado por acusação de corrupção, após quatro anos de uma campanha intensa contra Moreno, seu ex-aliado.

Caso os resultados sejam confirmados, Arauz, seu afilhado político, enfrentará Pérez, um grande rival do ex-presidente socialista que fez campanha com um discurso ambientalista e de rejeição da exploração do petróleo e da mineração.

"O povo nos deu seu apoio e nos resultados oficiais ficou mais do que demonstrado", afirmou Pérez, que organizou uma vigília eleitoral para que se "respeite a decisão dos equatorianos" ante os dados extraoficiais que o colocavam em terceiro lugar, atrás de Lasso, que disputa a presidência pela terceira vez.

Pérez, que em 2019 foi eleito governador da província andina de Azuay (sul), é o primeiro indígena a chegar tão longe na disputa pela presidência do Equador, onde os povos nativos formam 7,4% da população.

Arauz, que não pôde votar por estar registrado como eleitor equatoriano que mora no México, pretendia vencer no primeiro turno para evitar o risco de que o anticorreísmo de direita e esquerda se una para impedir seu triunfo em 11 de abril.

O analista Pablo Romero, da Universidade Salesiana, declarou à AFP que "o grande triunfo era vencer no primeiro turno e nisto apostaram os correístas, enquanto do outro lado havia quem pensava que o correísmo estava morto, o que não é correto".

Escrito por:

AFP