Publicado 07 de Fevereiro de 2021 - 10h50

Por AFP

O Equador celebra neste domingo (7) eleições gerais polarizadas entre uma direita conservadora aglutinada e uma esquerda dispersa, em meio a uma crise econômica aprofundada pela pandemia de covid-19 e com o "correísmo" decidido a retomar o poder.

Um total de 13,1 milhões de eleitores estão registrados para votar e definir o sucessor do impopular presidente Lenín Moreno, que assumiu o poder em maio de 2017 e não disputa a reeleição.

Entre os 16 candidatos (um número recorde) os favoritos são o economista de esquerda Andrés Arauz, que completou 36 anos no sábado, e o ex-banqueiro de direita Guillermo Lasso, de 65. Eles aparecem com 32% e 21% das intenções de voto, respectivamente, segundo a pesquisa mais recente do instituto Market.

Analistas e pesquisas - cuja publicação está proibida há 10 dias no Equador - projetam um segundo turno, previsto para 11 de abril.

"A dispersão de partidos e movimentos na cédula presidencial reflete instituições frágeis, máquinas eleitorais ativadas apenas quando há eleições, onde não há estruturas fortes", disse à AFP a cientista política Karen Garzón Sherdek, da Universidade Internacional SEK.

Arauz, da coalizão União pela Esperança (Unes), é o pupilo do polêmico ex-presidente socialista Rafael Correa (2007-2017), ex-aliado de Moreno.

As eleições, de 7H00 às 17H00 locais (9H00 às 19H00 de Brasília), têm um terceiro candidato que pode surpreender: o advogado Yaku Pérez, que representa o movimento indígena, está alinhado com a esquerda contrária ao correísmo e que lidera uma batalha contra a mineração e em defesa da água.

Na andina de Cuenca (sul), cidade natal de Pérez, também acontece uma consulta popular do município para decidir sobre a proibição ou não da exploração de metais a nível industrial nas proximidades de cinco rios.

Os eleitores comparecem aos locais de votação com máscara de proteção. A pandemia de covid-19 provocou mais de 257.000 casos e mais de 15.000 mortes no Equador.

Do partido indígena Pachakutik, Pérez, de 51 anos e com 12% na pesquisa Market, pode ser decisivo no segundo turno.

Para conquistar a presidência no primeiro turno, um candidato precisa de metade dos votos válidos mais um ou pelo menos 40% com uma diferença de 10 pontos para o rival mas próximo.

O país, de 17,4 milhões de habitantes, enfrenta uma crise acentuada pela queda do preço petróleo, seu principal produto de exportação, enquanto a dívida externa dobrou de tamanho e agora representa 44% do PIB.

A votação também designará os 137 membros da Assembleia Nacional, mas devido à fragmentação das forças políticas nenhum partido deve obter maioria.

O nível de participação pode se influenciado pelo temor de contágio de covid-19. O diretor do instituto Market, Blasco Peñaherrera, afirmou que a abstenção "favorece o correísmo".

Correa, que mora na Bélgica desde 2017, tentou ser o candidato a vice na chapa de Arauz, mas foi impedido porque enfrenta uma ordem de prisão por ter sido condenado em 2020 a oito anos de prisão por corrupção.

Lasso, do movimento Criando Oportunidades (Creo) e que lidera o anticorreísmo, tem o apoio do Partido Social Cristão, que Correa não conseguiu destronar do porto de Guayaquil (sudoeste), núcleo comercial e fortaleza equatoriana da direita.

Escrito por:

AFP