Publicado 05 de Fevereiro de 2021 - 11h33

Por AFP

A peruana July Blanco e seu irmão Juan Carlos aguardaram quatro dias na fila, dormindo na rua, para conseguir comprar oxigênio para seu pai, infectado com covid-19.

"Eu e meu irmão revezamos para ficar na fila. Ele dorme aqui ao ar livre, na grama. Então sou eu que tenho que trazer o café da manhã, almoço e janta para ele", conta July à AFP. "Passamos dias, noites e madrugadas" na fila.

"Estamos recarregando um balão [tanque ou cilindro] depois de quatro dias, porque este balão está na fila desde a madrugada de domingo e só hoje está entrando na recarga, sendo que é quinta-feira", acrescenta a mulher de 30 anos.

Seu pai, Germán Blanco, de 60 anos, é diabético e tem 50% dos pulmões comprometidos pelo coronavírus. Ele permanece em repouso em sua casa em Bellavista del Callao, a cidade portuária vizinha de Lima, perto do local onde seus filhos compram o oxigênio.

Junto a dezenas de outras pessoas, os irmãos Blanco tiveram que aguardar pacientemente na fila em frente ao centro de distribuição Criogás, que ficou famoso por ser o mais barato da capital peruana. Como tantas pessoas se reúnem por lá, está sob custódia policial desde a semana passada.

O dono da Criogás, José Luis Barsallo, apelidado de "anjo do oxigênio" pela mídia peruana, estabeleceu controles rigorosos para vender as recargas de oxigênio, após detectar que havia revendedores que estavam especulando com a necessidade das pessoas nesta pandemia.

Cada cilindro tem capacidade para 10 metros cúbicos de oxigênio sob pressão. Mas agora Barsallo os recarrega apenas pela metade, para que mais pessoas possam comprar. Cada metro cúbico vale 20 soles (5,5 dólares).

A demanda por oxigênio medicinal cresceu 200% no Peru com a segunda onda da pandemia, disse a ministra da Saúde, Pilar Mazzetti. Isso obrigou as pessoas a fazer filas nas ruas, dormindo sobre as calçadas ou pequenas barracas improvisadas.

Com seu balão recarregado, July pegou um táxi e foi para casa, onde seu pai a aguardava recostado em um sofá marrom. Estava conectado a uma máquina geradora de oxigênio, que os médicos dizem "que não ajuda tanto como o oxigênio medicinal", afirma sua filha.

"Estamos desesperados passando por esta angústia tão horrível, a verdade é que não desejamos isso a ninguém", acrescenta July, após conectar o oxigênio medicinal ao seu pai e medir a saturação.

"Esta doença é silenciosa, é muito complicada, do dia para a noite você morre", lamenta, acrescentando que outros cinco familiares também contraíram o temido vírus.

Assim que os irmãos Blanco conseguiram recarregar o balão, Juan Carlos foi novamente para o final da fila para conseguir mais oxigênio para seu pai.

"Meu irmão está na parte do fundo da fila, porque os dois balões não podem estar juntos. O outro balão está lá no fundo e deve sair na quarta-feira da outra semana recarregado", explica July.

cm/fj/ltl/aa

Escrito por:

AFP