Publicado 03 de Fevereiro de 2021 - 19h20

Por AFP

O governo de Joe Biden anunciou nesta quarta-feira (3) que não prevê contatos diretos com o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que tem pedido uma melhoria nas relações entre os dois países após as tensões com a administração de Donald Trump.

"Certamente não esperamos nenhum contato com Maduro no curto prazo", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, chamando o líder venezuelano de "ditador".

Price disse que Biden e a vice-presidente, Kamala Harris, continuarão com a política de Trump de reconhecer o líder opositor Juan Guaidó como presidente encarregado da Venezuela, em sua qualidade de líder da Assembleia Nacional democraticamente eleita em 2015.

"O objetivo primordial do governo Biden-Harris é apoiar uma transição democrática e pacífica na Venezuela através de eleições livres e justas e ajudar o povo venezuelano a reconstruir suas vidas e seu país", disse o funcionário do Departamento do Estado.

"Maduro é um ditador. Sua repressão, corrupção e má gestão geraram uma das crises humanitárias mais assustadoras que este hemisfério já viu", acrescentou.

Antiga potência petroleira, a Venezuela vive um desastre econômico, aprofundado desde a chegada ao poder de Maduro, em 2013, uma situação que segundo a ONU provocou a saída do país de mais de 5,4 milhões de pessoas.

Dois anos depois de romper relações diplomáticas com os Estados Unidos, Maduro se declarou dias atrás disposto a estabelecer "um novo caminho" com o novo governo de Biden, "na base do respeito mútuo, no diálogo, na comunicação e no entendimento".

A Venezuela "está disposta a virar a página e a construir novos caminhos de respeito, diálogo e comunicação diplomática com o novo governo dos Estados Unidos", disse.

fff-ad/rsr/ic/mvv

Escrito por:

AFP