Publicado 18 de Dezembro de 2020 - 17h36

Por Estadão Conteúdo

O River Plate goleou o Nacional-URU por 6 a 2 e garantiu a classificação para a semifinal da Libertadores

AFP

O River Plate goleou o Nacional-URU por 6 a 2 e garantiu a classificação para a semifinal da Libertadores

Palmeiras e River Plate vão se enfrentar na semifinal da Copa Libertadores, em janeiro, com uma semelhança entre os elencos. O time alviverde e o adversário argentino têm em comum a aposta em jogadores jovens. Após promover revelações como Gabriel Menino e Gabriel Veron, a equipe paulista terá pela frente um clube que tem se mostrado especialista em se renovar sem perder a qualidade. Os jogos serão nos dias 6 e 13 do próximo mês.

O River Plate do técnico Marcelo Gallardo disputa pela quinta vez uma semifinal nos últimos seis anos. A vaga foi confirmada com a vitória por 6 a 2 sobre o Nacional, em Montevidéu. A equipe foi campeã em 2018, vice no ano passado e agora disputa novamente uma vaga na grande decisão. Embora a continuidade de um treinador há seis anos no cargo seja fundamental, a capacidade do elenco de se reformular é o grande destaque do adversário do Palmeiras.

Gallardo demonstrou na quinta-feira ter bastante respeito pelo Palmeiras. "Vamos jogar contra um time invicto nesta Libertadores, que mostra uma boa solidez e um ataque poderoso. Será um jogo equilibrado", disse. "Todos que estão em uma semifinal chegaram à essa fase porque mereceram. Agora será preciso mostrar um diferencial para superar esse duelo, que será complexo", comentou.

A equipe neste ano tem três grandes nomes. Vice-artilheiro da Libertadores com seis gols, o colombiano Rafael Borré tem 25 anos e está no clube desde 2017. Junto com ele, a equipe tem dois outros jovens que se consolidaram no time principal nesta temporada. O atacante Julian Álvarez, de 20 anos, anotou seis vezes nesta Libertadores. O grande armador do time é o colombiano Jorge Carrascal, de 22 anos, outro destaque que só passou a ser mais utilizado neste ano.

Em comparação ao time finalista nos dois últimos anos, o River Plate teve mudanças importantes. Lucas Pratto perdeu espaço e hoje é reserva. Decisivos nas temporadas anteriores, Pity Martinez, Exequiel Palacios, Lucas Martínez Quarta e Juan Quintero já deixaram o clube. A linha titular de defesa de 2019 foi praticamente desfeita e resta somente o lateral-direito Montiel de titular.

Nesta temporada o futebol argentino está com um calendário atípico e sem a previsão de rebaixamento. Contrário à ideia de realizar a competição durante a pandemia, o River Plate não tem jogado esses compromissos locais com os principais jogadores. O time costuma escalar uma formação mista e poupar as grandes estrelas somente para os compromissos pela Libertadores.

Mesmo com mudanças e com a juventude crescente, a equipe tem atletas bem experientes. O volante e capitão Ponzio tem 38 anos e está no clube desde 2012. O goleiro Armani, da seleção argentina, tem 34 anos. Embora tenha só 23 anos, o uruguaio Nicolás De La Cruz está na quarta temporada pelo clube e é uma outra referência. Ele é irmão do volante santista Carlos Sánchez

A equipe tem a forte liderança do técnico Gallardo. Bastante identificado com o clube, ele é reconhecido pela capacidade de estimular o elenco e por conseguir montar um time bastante organizado. O River Plate marcou 31 gols em dez jogos nesta Libertadores e confia na velocidade do setor ofensivo. Um ponto fraco, porém, é a baixa estatura da defesa. O zagueiro de mais estatura é Paulo Díaz, de 1,80 metro.

REPETIÇÃO - O encontro com o Palmeiras repete a semifinal de 1999, de ótima memória para o clube alviverde. O time dirigido pelo técnico Luiz Felipe Scolari perdeu para os argentinos na ida por 1 a 0 para depois na volta vencer por 3 a 0 e ir à final contra o Deportivo Cali. Nas redes sociais os torcedores palmeirenses relembraram esses confrontos. Um dos jogadores da época, o goleiro Marcos, foi um dos que resgatou o passado, ao publicar uma foto da época.

Escrito por:

Estadão Conteúdo