Publicado 16 de Dezembro de 2020 - 15h03

Por Gustavo Magnusson

Fabinho Moreno é o técnico interino da Ponte Preta

PontePress/ÁlvaroJr

Fabinho Moreno é o técnico interino da Ponte Preta

Após sofrer a terceira derrota consecutiva na Série B, amargando a sua pior sequência em toda a temporada, a Ponte Preta vê o sonho do acesso cada rodada mais distante. No entanto, a equipe ainda não joga a toalha, apesar da situação complicada na tabela e do momento conturbado fora de campo.

"A gente tem que ser verdadeiro e honesto com nós mesmos e com a nossa torcida. Estamos muito chateados e temos que entender o momento que estamos passando, mas a gente também não pode se dar por vencido, se abater e jogar a toalha. Já estamos na quarta comissão técnica do ano e ficar trocando é sinal de que alguma coisa não está andando bem. Eu reuni os jogadores ao término da partida e falei que não está sendo suficiente e precisamos fazer algo diferente. É preciso trabalhar mais, se dedicar mais e se cobrar mais porque só assim vamos conseguir reverter essa situação. O lado mental vai ser um dos tópicos dessa semana", avaliou o coordenador técnico Fabinho Moreno, que comandou a equipe de forma interina no revés para o Operário, em Ponta Grossa.

Mesmo necessitando de um aproveitamento superior a 70% para conquistar a vaga na elite, Moreno enxerga fatores positivos que alimentam o sentimento de esperança. "Tivemos 70% da posse de bola e 17 finalizações com um jogador a menos. É sinal de que o meio-campo controlou bem o jogo e o ataque conseguiu produzir algo. Não fomos eficientes para fazer o gol, mas foi nítido que buscamos a vitória o tempo todo, criamos e que entrega não faltou", lamenta Moreno, que deve comandar a Ponte até o fim da Série B, embora a diretoria não confirme oficialmente.

Se nas últimas três rodadas a Ponte Preta reabilitou equipes que amargavam jejuns de pelo menos quatro jogos sem vitória, nas próximas cinco partidas a Macaca terá pela frente adversários diretos (Confiança, Cruzeiro, Juventude, Guarani e Cuiabá). Essa sequência será decisiva para indicar se a equipe chegará ao fim de janeiro viva na luta pelo acesso ou não.

Escrito por:

Gustavo Magnusson