Publicado 19 de Dezembro de 2020 - 15h59

Por Maria Teresa Costa

O PV de Campinas suspendeu o vereador Luiz Rossini por um mês, período em que ele estará impedido de votar nas instâncias partidárias. O parlamentar vai responder à comissão de ética do diretório que analisará sua conduta na votação de emendas aos projetos que alteraram a lei de criação da Área de Proteção Ambiental de Campinas (APA-Campinas) e definiram regras de uso e ocupação do solo nessa área. A comissão avaliará se ele desrespeitou orientação partidária e poderá decidir pela expulsão da legenda.

Sem defesa

Rossini disse à coluna que ainda não teve oportunidade de se defender no partido. Segundo ele, a emenda questionada permite que sejam realizados estudos para a ampliação do perímetro urbano para uso habitacional. “Ela não aumenta um centímetro sequer do perímetro. Somente autoriza estudos de demandas habitacionais de interesse social para avaliação futura. Está havendo uma interpretação errada”, disse.

Sem festa

O prefeito Jonas Donizette (PSB) transmitirá o cargo a Dário Saadi (Republicanos), dia 1º, em cerimônia no Teatro Castro Mendes. Ali, Dário dará posse ao secretariado. Por causa da pandemia, que exige distanciamento, a cerimônia vai observar a taxa máxima de ocupação de 20%.

Pelas redes

Dário e o vice, Wanderley de Almeida, poderão levar cinco convidados e o secretariado um convidado cada. Não será permitida presença de repórteres, apenas de cinegrafistas e fotógrafos. A cerimônia será transmitida pelas redes sociais.

Assédio

A vereadora Mariana Conti (PSOL) se solidarizou com a deputada Isa Penna, também do PSOL, que sofreu assédio sexual pelo deputado estadual Fernando Cury. Um vídeo gravado na sessão da Assembleia Legislativa mostra o deputado passando a mão no seio da parlamentar.

Revoltante

Para Mariana, o caso é revoltante. “Minha solidariedade à deputada e companheira de partido Isa Penna, bem como a todas as mulheres vítimas de assédio, já que infelizmente esse não é um caso isolado. É muito importante que o deputado Fernando Cury não saia impune por essa inaceitável atitude machista”, afirmou.

Ação penal

A 13ª Vara Federal de Curitiba, por determinação do Superior Tribunal de Justiça, remeteu para a 274ª Zona Eleitoral de Campinas, a ação penal em que o ex-prefeito Hélio de Oliveira Santos é acusado de crime de lavagem de dinheiro, que teria sido utilizado para financiamento de sua campanha à Prefeitura em 2008.

Zona Eleitoral

O juiz eleitoral da 274ª Zona Eleitoral de Campinas, Marcelo da Cunha Bergo, declinou da competência para o processamento da ação. No despacho, ele observa que, como não é possível precisar geograficamente a utilização do dinheiro dentro município, a competência criminal deve ser fixada de acordo com o domicílio do réu, cujo endereço pertence à 423ª Zona Eleitoral. 

Escrito por:

Maria Teresa Costa