Publicado 20 de Dezembro de 2020 - 8h35

Luiz Roberto Da Costa Jr., servidor público, Campinas

Divulgação

Luiz Roberto Da Costa Jr., servidor público, Campinas

Sobre a vacina, com ela, o metabolismo humano repele o coronavírus ou, esse vírus, reconhece quem está imunizado, e não passa perto? Independentemente da resposta, concordo com uma charge do último Roda Viva, onde o vírus diz “Fui” para a pessoa vacinada. Não querer se vacinar é o mesmo que estar aberto para um relacionamento íntimo e discreto com vírus, sem ter defesa alguma. Há uma resposta segura, com o selo de uma instituição idônea como o Butantan, que não nos deixará mais expostos ao risco. Se somarmos as forças, com a adesão da população, a vacina vai além da proteção individual, tem o poder de interceptar o período de transmissão. Poderia não haver luz no fim do túnel mas, graças a evolução da ciência, temos a chance, de derrotar o vírus que parou o mundo.

Fabio Biral

Jornalista, Campinas