Publicado 19 de Dezembro de 2020 - 10h19

Por Daniel de Camargo

Dos 39 leitos abertos para tratamento de Covid-19 em Campinas, 11 ficam no Hospital Municipal Mário Gatti: rede municipal dispõe de 193 vagas

Cedoc/RAC

Dos 39 leitos abertos para tratamento de Covid-19 em Campinas, 11 ficam no Hospital Municipal Mário Gatti: rede municipal dispõe de 193 vagas

Campinas deve garantir a manutenção dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) que estão habilitados para pacientes com Covid-19 durante todo o ano de 2021, com verba do Ministério da Saúde destinada ao enfrentamento da pandemia e que pode chegar até R$ 40 milhões. O prefeito Jonas Donizette (PSB) explicou durante coletiva virtual realizada na manhã de ontem, que a quantia corresponde a parte da cidade de um montante de R$ 3 bilhões que está sendo liberado pelo governo federal para os municípios.

Considerando a dimensão do Município, o chefe do Executivo estimou que o repasse ficará entre R$ 30 e R$ 40 milhões. Falando também como presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), agradeceu ao ministro Eduardo Pazuello, ressaltando que o reforço já estará disponível para o início da administração dos prefeitos eleitos no mês passado.

Secretário de Saúde de Campinas, Carmino de Souza, recordou que esse dinheiro foi um pleito negociado pela FNP e Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems). Detalhou que uma portaria deve ser publicada ainda neste ano, formalizando os procedimentos. Afirmou que esse recurso traz tranquilidade aos futuros gestores municipais (prefeitos e secretários de saúde), que ele e Jonas não tiveram. "[...] não sabíamos exatamente como íamos financiar tudo isso", comentou, a respeito do início do enfrentamento da pandemia.

Sobre verbas a receber, Jonas disse que aguarda até o fim do ano, um pagamento de R$ 25 milhões do governo estadual. O valor já está pactuado e foi anunciado por ele em 10 de julho. Do total, R$ 12 milhões são referentes a um auxílio para a cobertura das despesas na Saúde para o atendimento dos pacientes com novo coronavírus. Os outros R$ 13 milhões para o custeio específico do Hospital Ouro Verde - o convênio que Campinas tinha para esse hospital, firmado na gestão passada do Estado, terminou e a verba que será liberada agora ajudará na cobertura das despesas enquanto o convênio maior não é assinado.

Informou que, nesta semana, se reuniu com o vice-governador, Rodrigo Garcia (DEM). De acordo com Jonas, ele garantiu que o Estado vai apoiar os novos prefeitos no enfrentamento da Covid-19.

Leitos

A Prefeitura de Campinas abriu mais 39 leitos para pacientes com Covid-19 na rede municipal, elevando a oferta para 142. Somados outros 51 leitos em hospitais particulares conveniados, são 193.

O prefeito Jonas Donizette (PSB) detalhou que 11 dos novos leitos são no Hospital Mário Gatti e 28 na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Carlos Lourenço, que voltou a atender, ontem, exclusivamente pacientes com o novo coronavírus.

O chefe do Executivo afirmou ainda que existe um plano para ampliação de leitos, se necessário. "O primeiro andar da UPA Anchieta Metropolitana já está pronto, com rede de gases e respiradores. Se for necessário para o ano que vem, podemos utilizar. Também temos a recepção do Hospital Ouro Verde onde podemos montar um espaço de acolhimento e internação", comentou.

Outros espaços que poderão ser utilizados são a UTI cirúrgica ambulatorial, também do Hospital Ouro Verde. "E, em último passo, sendo realmente necessário, nós reativamos o Hospital de Campanha no Ginásio dos Patrulheiros. É uma palavra de tranquilidade para a população, para vocês entenderem que está tudo já programado", disse.

O presidente da Rede Mário Gatti, Marcos Pimenta, ressaltou que a reação foi rápida num movimento integrado para reativar o que for preciso. "Colocamos o primeiro andar do Hospital Mário Gatti inteiramente como unidade Covid. Eram leitos de cirurgia eletiva e agora estão transformados integralmente para internação Covid", explicou.

Além dos leitos da Rede Mário Gatti, a Prefeitura também está prorrogando contratos que venceram no mês de dezembro deste ano. "Faremos um credenciamento de leitos para hospitais que queiram se cadastrar para oferta de vagas", disse o secretário de Saúde, Carmino de Souza. (AAN)

Escrito por:

Daniel de Camargo