Publicado 18 de Dezembro de 2020 - 8h11

Por Alenita Ramirez

Funcionários da obra o acharam em laje de uma das plataformas

Wagner Souza/AAN

Funcionários da obra o acharam em laje de uma das plataformas

A Polícia Militar (PM) resgatou, na manhã de ontem, o corpo de um homem que já estava em estado avançado de putrefação, embaixo de um trecho de obra do BRT (Bus Rapid Transit, transporte rápido por ônibus), na região do distrito Ouro Verde, em Campinas. O corpo foi achado a cerca de 50 metros do Hospital Ouro Verde, de onde há cerca de 20 dias o catador de reciclado Ivânio Santana Barbosa, de 52 anos, fugiu e até o momento não foi localizado pela família.

O corpo foi encontrado por volta das 7h30 quando trabalhadores deram início ao serviço na obra. Segundo o cabo da PM, Anderson Luiz Santos Morato, um funcionário sentiu forte odor no local e passou a buscar de onde vinha o cheiro, acreditando ser de animal, mas ao verificar debaixo de uma laje avistou o corpo.

De acordo com a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), o corpo estava dentro da laje de uma das plataformas em construção. O Corpo de Bombeiros e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram acionados para a retirada. Ainda segundo a polícia, não se sabe a causa da morte e como o homem teria chegado ao local. “O IML (Instituto Médico Legal) irá fazer a perícia para tentar descobrir a causa da morte. Se for homicídio será apurado pela Delegacia de Homicídios. Será feito o exame de DNA para identificar de quem é o corpo”, disse o delegado da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Rui Pegolo.

A suspeita é que pela forma como o corpo foi encontrado, a vítima tenha entrado rastejando na obra. O corpo estava a cerca de 10 metros de uma entrada de acesso.

Segundo a Emdec, não se trata de nenhum funcionário ligado à obra. Em nota, a empresa, afirmou que lamenta o ocorrido e está a disposição dos órgãos responsáveis para a apuração dos fatos.

Ainda de acordo com a Emdec, o trecho onde o corpo foi encontrado era um local totalmente cercado por alambrados e tapumes, de acesso restrito e com placas sinalizadoras.

Desaparecido

A localização do corpo pode colocar ao fim a busca da família por Ivânio, que sumiu desde o dia 28 de novembro, após fugir do hospital Ouro Verde. O homem foi internado com suspeita de pancreatite, mas, segundo a prefeitura na época, ele se recusou tratamento e deixou o local. Porém não voltou para casa.

A Prefeitura garante que funcionários do hospital ligaram nos telefones de contado, mas a família garante que não foi avisada. O catador de reciclado estava sem dinheiro e sem documentos. Quando a família descobriu o sumiço dele do hospital, chegou a fazer buscas, mas não o encontrou. “Quando soubemos da localização do corpo, fomos até lá e ficamos apreensivos, acreditando ser dele. Mas como o corpo está em estado avançado de decomposição,não o reconhecemos” disse a cunhada de Ivânio, a motorista de aplicativo, Alexsandra Nicácio da Silva.

Escrito por:

Alenita Ramirez