Publicado 20 de Dezembro de 2020 - 12h57

Por AFP

A aparição no Reino Unido de uma nova cepa do coronavírus, muito mais infecciosa que as outras, preocupa os epidemiologistas e levou vários países a suspender seus voos procedentes do território britânico neste domingo (20).

O conselheiro científico do governo britânico, Patrick Vallance, afirmou no sábado que essa nova variante do SARS-CoV-2, além de se propagar rapidamente, está se transformando na forma "dominante", o que gerou "um aumento muito forte" das hospitalizações em dezembro.

A nova cepa teria aparecido em meados de setembro em Londres ou em Kent (sudeste), segundo ele.

"O grupo consultivo sobre ameaças novas e emergentes de vírus respiratórios (NERVTAG) considera que esta nova cepa pode se propagar mais rapidamente", declarou o médico-chefe da Inglaterra, Chris Whitty, em um comunicado.

Essa ideia se baseia na constatação de "um aumento muito forte de casos de contágio e de hospitalizações em Londres e no sudeste, em comparação com o resto da Inglaterra nos últimos dias", explica o professor de medicina Paul Hunter, da Universidade de East-Anglia, citado no site do Science Media Centre.

"Este aumento parece ser causado pela nova cepa", acrescentou, em alusão às informações fornecidas pelas autoridades de saúde.

No entanto, "nada indica, até o momento, que esta nova cepa cause uma taxa de mortalidade mais alta ou que afete as vacinas e os tratamentos, mas há trabalhos sendo realizados com urgência para confirmar isso", continuou Chris Whitty.

A informação "sobre esta nova cepa é muito preocupante", afirmou o professor Peter Openshaw, imunologista do Imperial College de Londres, citado pelo Science Media Centre. Principalmente porque "parece ser entre 40% e 70% mais transmissível".

"É uma notícia muito ruim", comentou o professor John Edmunds, da London School of Hygiene & Tropical Medicine. "Parece que esse vírus é muito mais infeccioso que a cepa anterior".

Em sua página do Facebook, o geneticista francês Axel Kahn lembrou que, até agora, "foram sequenciadas 300.000 mutações do SARS-CoV-2 no mundo".

A nova cepa incorpora uma mutação, chamada "N5017", na proteína da "espícula" do coronavírus, que permite que o vírus se prenda às células humanas para penetrá-las.

Segundo o doutor Julian Tang, da Universidade de Leicester, "essa mutação N501Y já circulava muito antes, de forma esporádica, neste ano fora do Reino Unido, na Austrália em junho-julho, nos Estados Unidos em julho e no Brasil em abril".

Escrito por:

AFP