Publicado 20 de Dezembro de 2020 - 11h17

Por AFP

Colunas e fitas delimitam o espaço em que eventualmente se formarão as filas de espera no centro de vacinação. E dentro das 64 minúsculas salas de consultas médicas, as macas, novas e reluzentes, aguardam a chegada do dia D.

Em Hamburgo, o maior centro de vacinação contra a covid-19 da Alemanha já está pronto para começar uma grande campanha de vacinação, apesar de Agência Europeia de Medicamentos ainda não ter comunicado se autoriza a comercialização da vacina Pfizer/BioNTech. Uma decisão muito esperada, que deve chegar na segunda-feira.

Se a União Europeia der o sinal verde, as autoridades alemãs, especialmente preocupadas com a segunda onda da epidemia muito virulenta no país, pretendem agir rápido: as primeiras vacinações devem começar em 27 de dezembro.

"Estamos preparados. O plano foi testado [...]. A única coisa que falta é a vacina", afirma a responsável pelas questões sociais e sanitárias da Prefeitura de Hamburgo, Melanie Leonhard, durante uma visita com a imprensa.

A segunda cidade da Alemanha, com cerca de dois milhões de habitantes, pensou grande na hora de planejar essa operação, chamada "Hambourg vaccine".

Foram reservados dois pavilhões (com uma área total de 11.000 m2) para a vacinação, que na Alemanha será voluntária.

Será possível administrar 7.000 injeções diárias, supervisiondas por seis diretores médicos e outros médicos e profissionais da saúde.

O centro de Hamburgo é um dos mais de 400 habilitados na Alemanha para esta campanha, organizada em um tempo recorde, menos de um ano depois que apareceram os primeiros casos de coronavírus na Europa.

Os candidatos para a vacinação deverão efetuar um atendimento de cerca de uma hora, que começará em uma mesa de registro e terminará, após a vacina, em uma área de descanso e farmacovigilância.

Nada foi deixado ao acaso: haverá tradutores-intérpretes e uma fila, mais curta, reservada para as pessoas com mobilidade reduzida.

Na Alemanha, como ocorre em outros países europeus, parte da população manifestou receios sobre a vacina, uma desconfiança às vezes estimulada por teorias da conspiração divulgadas na internet.

As autoridades de saúde prevêem que o início da campanha será um pouco mais lento. Em um primeiro momento, a Alemanha não deve receber mais que 400.000 doses.

Nas primeiras semanas, serão vacinadas apenas as pessoas que apresentam um fator de risco importante. Os maiores de 80 anos não precisarão se deslocar até o centro, já que haverá equipes móveis que realizarão a vacinação a domicílio e nas casas de repouso.

yap/ylf/jvb/mis/aa

Escrito por:

AFP