Publicado 18 de Dezembro de 2020 - 15h19

Por AFP

A Argentina estenderá até 31 de janeiro a fase de distanciamento social para conter a disseminação da covid-19, enquanto soma mais de 1,5 milhão de casos e mais de 41.000 mortes, anunciou nesta sexta-feira (18) o presidente, Alberto Fernández.

"Todos estes cuidados que tivemos, temos que aprofundar agora", disse, ao chefiar um ato de reconhecimento ao trabalho dos funcionários comunitários em meio à pandemia do novo coronavírus.

A fase de distanciamento social preventivo e obrigatório (DISPO) vigora desde 9 de novembro. Abrange medidas como a obrigação de manter distância de dois metros de outras pessoas e usar máscaras em espaços compartilhados. A fase anterior, de isolamento, durou de 20 de março até 9 de novembro. O país entrou em emergência sanitária em março.

As estatísticas oficiais dão conta de 1.524.365 casos, com 41.534 mortos e 1.352.556 pacientes recuperados, em um país de 44 milhões de habitantes, com alta taxa de mortalidade.

"Em breve começaremos a vacinar os trabalhadores essenciais", disse Fernández. O governo assinou acordos para fabricar e receber vacinas, enquanto negocia com outros laboratórios. Em primeiro lugar, espera a chegada da vacina russa Sputnik V em poucos dias.

O governo havia lançado na última semana advertências sobre o perigo de aumento de contágios, particularmente nas festas de Natal e Ano Novo, se forem mantidas condutas de relaxamento das medidas sanitárias entre a população.

dm/nn/gma/mvv

Escrito por:

AFP