Publicado 18 de Dezembro de 2020 - 1h17

Por AFP

A Sony anunciou nesta sexta-feira que retirou o videogame Cyberpunk 2077 de sua plataforma de vendas online PlayStation Store em todo o mundo, no objetivo de preservar a "satisfação do cliente", em meio a uma chuva de críticas por causa da quantidade de bugs no jogo.

"A SIE (Sony Interactive Entertainment) se esforça para garantir um alto nível de satisfação de seus clientes e, por consequência, vamos começar a oferecer reembolsos" aos jogadores, escreveu a divisão de videogames da Sony em seu site nos Estados Unidos.

O jogo, criado pelo estúdio polonês CD Projekt RED e lançado no mundo em 10 de dezembro, será retirado da loja online "até novo aviso", completou o comunicado.

Cyberpunk 2077, um videogame distópico muito esperado, leva ao limite o que é tecnicamente possível nos dias de hoje, de acordo com a imprensa especializada. O jogo foi "aclamado universalmente" pela crítica, de acordo com o site metacritic.com.

Mas muitos criticam seus erros e bugs e alguns sugerem que os consumidores esperem alguns meses para adquirir o jogo, na esperança que os problemas sejam consertados.

O lançamento do jogo foi adiado diversas vezes neste ano e os desenvolvedores se viram obrigados a colocar alertas quando um dos críticos sofreu um ataque epiléptico ao jogar.

O estúdio CD Projekt RED pediu desculpas na segunda-feira e prometeu "resolver os bugs" com correções anunciadas para janeiro e fevereiro, no objetivo de "melhorar a experiência" do jogo. A empresa também propôs reembolsar os jogadores que não queiram esperar.

O presidente do estúdio, Adam Kicinski, anunciou que o jogo teve oito milhões de pedidos antecipados de compra, o que classificou de "resultado fenomenal". Ele garantiu também que o jogo "funciona muito bem na maioria das configurações".

De acordo com as estimativas do banco polonês BOS, o orçamento do Cyberpunk 2077, baseado em um jogo criado pelo americano Mike Pondsmith, foi de 331 milhões de dólares, o que o torna um dos videogames mais caros da história.

mac-sah/ras/roc/am

Escrito por:

AFP