Publicado 17 de Dezembro de 2020 - 9h47

Por AFP

As associações de domésticas e assistentes de idosos na Itália, quase meio milhão de trabalhadores, a maioria mulheres estrangeiras, protestaram nesta quinta-feira contra o plano de vacinação anticovid.

"Pelo bem de nossos entes queridos, temos que dar prioridade às 461.000 domésticas e assistentes de idosos no plano de vacinação que começará em poucos dias", pediu em um comunicado Lorenzo Gasparrini, secretário-geral da Associação Nacional de Famílias de Empregadores Domésticos, DOMINA.

Gasparrini pede "prioridade" para esta categoria, equiparável aos profissionais da saúde.

De acordo com dados da entidade, em 2019 a Itália tinha 407.000 assistentes de idosos, chamados de "badante", 11,5% a mais que em 2012.

A DOMINA, que elabora um Relatório Anual de Trabalho Doméstico, calcula que na Itália trabalham dois milhões de domésticas - 57,6% delas sem contrato oficial -, 52% como domésticas e 48% como assistentes de idosos.

A maioria, 88,7%, são mulheres, 70,3% são estrangeiras, com média de idade de 52 anos.

kv/zm/fp

Escrito por:

AFP