Publicado 17 de Dezembro de 2020 - 8h57

Por AFP

A empresa farmacêutica alemã CureVac admite que está "um pouco atrasada" em relação às concorrentes Moderna e Pfizer/BioNTech, mas seu diretor espera desenvolver uma vacina contra a covid-19 mais fácil de armazenar.

"Há uma corrida, mas uma corrida contra o vírus", disse em uma entrevista à AFP Franz-Werner Haas, CEO da empresa de biotecnologia.

A CureVac anunciou na segunda-feira o início da terceira e última fase de testes clínicos em larga escala da vacina contra a covid-19.

Assim como os produtos desenvolvidos pela Pfizer/BioNTech e a empresa Moderna, o laboratório trabalha com a inovadora tecnologia de RNA mensageiro (RNAm).

Os primeiros resultados dos testes são aguardados para o primeiro trimestre de 2021, anunciou Haas, de 50 anos, na sede da CureVac em Tübingen, sudoeste da Alemanha.

A vacina BioNTech/Pfizer, que já foi aprovada em vários países, é utilizada desde o início de dezembro no Reino Unido, Estados Unidos e Canadá.

A vacina da Moderna deve ser autorizada em breve nos Estados Unidos.

"Chegamos um pouco tarde", admite Haas, o que segundo ele tem "vantagens e desvantagens".

Uma característica da vacina CureVac é que utiliza um RNA mensageiro natural, não modificado, para desencadear uma resposta imunológica.

A consequência é que esta vacina pode permanecer estável durante ao menos três meses na temperatura da geladeira, o que torna "mais fácil" seu uso, por exemplo, em casas de repouso, ou em consultas médicas, segundo Haas.

A vacina BioNTech deve ser armazenada a -70ºC, e a vacina da Moderna, a -20ºC.

De acordo com a CureVac, seu produto também precisaria de uma dose muito menor, de apenas 12 microgramas, contra os 30 microgramas para a BioNTech e 100 microgramas para a Moderna, o que permitiria uma produção em larga escala mais rápida.

Haas considera "fantástico" que seus dois principais concorrentes tenham demonstrado que suas vacinas têm eficácia e segurança de quase 95%. Ele disse que "também podemos fazer".

Ele destaca que, para conter a pandemia que matou mais de 1,6 milhão de pessoas desde o fim de 2019, serão necessárias vacinas diferentes para ter as quantidades suficientes.

Em março, a empresa se viu envolvida em uma polêmica pelos boatos de que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, exigia a exclusividade da futura vacina da CureVac para o mercado americano.

Escrito por:

AFP