Publicado 16 de Dezembro de 2020 - 19h37

Por AFP

O procurador-geral do Texas, Ken Paxton, anunciou nesta quarta-feira (16) ter apresentado, junto com vários outros estados, uma ação contra a Google por práticas de monopólio.

A ação legal atribui à gigante da Internet um "comportamento monopolista", "práticas de exclusão" e "declarações enganosas", disse Paxton no Twitter em um vídeo antecedido da mensagem: "Esse "Golias" da Internet tem usado seu poder para manipular o mercado, destruir a concorrência e prejudicar VOCÊ, consumidor".

A denúncia não estava imediatamente disponível no site de serviços de Paxton, e ele não especificou quais estados estavam envolvidos no processo.

"Quando você visita o site de um meio que você conhece e confia, como o Wall Street Journal ou seu jornal local favorito, provavelmente verá anúncios colocados lá pela Google. Mas a Google não diz ao público que manipula leilões para anúncios", afirmou Paxton no vídeo.

O leilão é o método usado pela gigante da internet para decidir quais anúncios serão exibidos em uma determinada pesquisa e a ordem em que serão exibidos na página.

"Não é justo que a Google tenha de fato eliminado a concorrência e sido coroada como a chefe da publicidade virtual", acrescentou.

Essa ação representa uma dificuldade adicional para a empresa californiana, cujo modelo baseado em serviços gratuitos e publicidade direcionada a partir de dados de seus usuários está sob os holofotes após a instauração de uma ação judicial do Departamento de Justiça.

O governo dos Estados Unidos acusou a Google em outubro de manter um "monopólio ilegal" de pesquisa e publicidade online.

A empresa, fundada em 1998, é criticada por ter utilizado e abusado de técnicas para excluir seus concorrentes.

O Texas e outros estados aderiram à denúncia do Departamento.

De acordo com o site Politico, vários estados americanos liderados pelos procuradores-gerais de Colorado e Nebraska poderiam registrar outra denúncia similar na quinta-feira contra a Google, também relacionada ao seu mecanismo de busca.

Diversas plataformas digitais, incluindo Amazon, TripAdvisor e Yelp, já reclamaram que a Google prioriza suas próprias ofertas nos resultados de busca.

jum/lo/la/ll/rs/mvv/bn

GOOGLE

Escrito por:

AFP