Publicado 18 de Novembro de 2020 - 5h30

A relação entre a tevê e Marina Ruy Barbosa já é extensa. Há mais de 15 anos no vídeo, a ruiva de 23 anos cresceu, amadureceu e se fortaleceu como atriz diante das câmaras. Não à toa, ela teve bastante tempo para compreender e analisar que tipo de elo manteria com a televisão e, por consequência, com a fama. Atualmente no ar como a protagonista de O Sétimo Guardião, Marina busca valorizar seu trabalho diante do vídeo e não se deixar levar pelo gigantesco glamour da tevê e das redes sociais. “Esse glamour que a profissão gera é uma coisa superficial. Isso não é real. Para mim, real é o meu trabalho do dia a dia ou saber que as pessoas que trabalham comigo me respeitam. Minha família. Essa glamorização é totalmente passageira”, aponta ela, que procura manter uma voz ativa sobre as decisões de sua trajetória profissional. “Tenho um escritório que cuida da minha carreira, mas também dou bastante pitaco nos assuntos”, completa.

O projeto de O Sétimo Guardião já era conhecido por Marina há bastante tempo. Ao finalizar sua participação em Império, exibida em 2014, Aguinaldo Silva alertou a jovem de que escreveria um papel para ela em seu novo trabalho. Porém, com o adiamento da estreia do folhetim, acabou surgindo a chance de protagonizar Deus Salve o Rei no meio do caminho. A história medieval escrita por Daniel Adjafre foi finalizada no final do mês de julho e Marina contou com 15 dias de férias antes de começar a gravar a trama das nove. “Desde o começo, tinha deixado claro que não deixaria o elenco de O Sétimo Guardião. Não podia deixar esse projeto. Era a minha volta com o Aguinaldo e o Papinha (Rogério Gomes, diretor). Deus Salve o Rei foi muito especial e minha primeira novela de época. Fiquei muito feliz com a qualidade desse trabalho”, valoriza.

No enredo de O Sétimo Guardião, Marina interpreta Luz, uma jovem recém-formada professora e que foi criada pelo avô, Sóstenes, de Marcos Caruso. Apesar de aparentar uma normalidade, Luz sabe, no entanto, que tem sonhos enigmáticos, alguns deles visões de algo que está prestes a acontecer. Mantém uma relação muito próxima de Leon e acaba se apaixonando por Gabriel, vivido por Bruno Gagliasso. “É uma personagem com muitos mistérios e suspenses. O interessante nesse trabalho é encontrar um tom para contar essa história romântica e de fantasias. A Luz tem uma série de questões mal resolvidas. Não se sabe de onde ela veio ou quem são os pais dela. O avô a encontrou em uma noite de lua cheia.” A atual novela das nove não é o único trabalho de Marina ao lado de Gagliasso. A dupla está em cartaz nos cinemas com o longa Todas as Canções de Amor, em que interpretam um casal de namorados. Para a atriz, a sequência de projetos acelerou o processo de entrosamento dos dois. “Somos muito amigos e nos damos muito bem. Já tínhamos feito publicidade juntos também. Isso une mais a gente. De começo, ficamos com receio dos lançamentos serem tão próximos, mas são personagens totalmente diferentes”, defende.

Um dos principais nomes do “casting” da Globo, Marina estreou na emissora em 2002, quando participou de Sabor da Paixão. Porém, chamou a atenção do público ao interpretar a meiga Sabrina de Belíssima. De lá para cá, a atriz foi conquistando papéis de destaques nos folhetins até chegar a sua primeira protagonista em novelas, quando viveu a forte Elisa de Totalmente Demais. “Amo trabalhar e sou muito grata pela confiança que sempre depositaram em mim. Fui conquistando meu espaço, me cobrando e crescendo. Sempre quis dar o meu melhor. Me sinto privilegiada por ter descoberto tão cedo o que queria fazer da vida”, ressalta.