Publicado 18 de Novembro de 2020 - 18h46

Por AFP

Pelo menos cinco pessoas morreram e seis estavam desaparecidas após o transbordamento de um riacho na periferia de Cúcuta no nordeste da Colômbia, informaram as autoridades nesta quarta-feira(18).

O riacho Tonchala rompeu seu curso na noite de terça-feira, "causando uma enchente que varreu tudo em seu caminho", disse à AFP a assessoria de imprensa da secretaria local de Gerenciamento de Risco de Desastres.

Cerca de 209 casas foram afetadas, árvores caíram e uma camada de lama cobriu o solo.

A prefeitura alertou pelo Twitter sobre as terríveis consequências da construção de casas "em áreas de alto risco", nas margens de rios e riachos.

A cidade, na fronteira com a Venezuela, é uma das cidades mais pobres da Colômbia, onde quase metade (45,4%) da população vive com menos de três dólares por dia, segundo o órgão nacional de estatística.

Muitos das construções afetadas eram casas precárias em bairros de invasão.

A Colômbia enfrenta uma devastadora estação de chuvas. Até terça-feira, autoridades já registravam pelo menos 22 mortos em dois meses e dezenas de milhares de vítimas, principalmente em Antioquia, Chocó, Norte de Santander, Cundinamarca e Cauca.

Segundo a Unidade Nacional de Gestão de Riscos de Desastres, as chuvas catastróficas deste ano estão relacionadas ao fenômeno La Niña, causado pelo resfriamento do oceano Pacífico.

O país também enfrenta os estragos causados pela passagem do furacão Iota no arquipélago de San Andrés, Santa Catalina e Providência, que deixou pelo menos dois mortos e seis feridos.

Nesta quarta-feira, o presidente Iván Duque declarou uma "situação de desastre" no departamento da ilha, para facilitar a ajuda do governo central e a aliviar os danos em mais de 90% das construções de Providencia.

A mudança climática produz um aumento da temperatura nas camadas superficiais dos oceanos, o que gera poderosos furacões e tempestades com maior quantidade de água.

Os fenômenos ameaçam especialmente para as comunidades costeiras, segundo estudos do Grupo Intergovernamental de Especialistas em Mudança Clima (IPCC).

dl/lv/mps/jc/mvv

Twitter

Escrito por:

AFP