Publicado 16 de Novembro de 2020 - 20h46

Por AFP

O suspeito de atirar na semana passada contra a embaixada da Arábia Saudita em Haia, sem causar vítimas, agiu com motivação "terrorista", anunciou o Ministério Público holandês nesta segunda-feira (16).

O homem de 40 anos foi preso na quinta-feira, poucas horas depois do incidente, em uma casa em Zoetermeer, perto de Haia, onde está localizada a sede do governo holandês.

O Ministério Público o acusa de "agir violentamente contra o edifício de pessoa protegida internacionalmente, tentativa de homicídio ou homicídio culposo contra um vigilante, além de ameaças, todas com motivo terrorista", informou um comunicado.

"A intenção terrorista se deu por ele aparentemente desejar impor sua vontade à embaixada por meio de suas ações", acrescentou a justiça holandesa, que não deu maiores detalhes sobre o motivo do atentado.

O detido compareceu nesta segunda-feira diante de um juiz, que estendeu sua prisão preventiva por mais duas semanas, disse o Ministério Público, acrescentando que a investigação segue em andamento.

A embaixada da Arábia Saudita na Holanda foi baleada várias vezes na manhã de 12 de novembro. A mídia local mencionou cerca de 20 tiros e mostrou fotos de buracos nas janelas.

O incidente ocorreu um dia após um ataque explosivo em Jedá, na Arábia Saudita, durante uma cerimônia pelo aniversário do armistício de 11 de novembro de 1918, na presença de diplomatas ocidentais.

Duas pessoas ficaram feridas no ataque: um funcionário do consulado grego e um policial saudita.

smt/lpt/eb/gma/jc/mvv

Escrito por:

AFP