Publicado 06 de Outubro de 2020 - 9h25

Por Estadão Conteudo

Testes avaliarão cenário de que adultos não vacinados foram mais afetados

Acacio Pinheiro/Agência Brasil

Testes avaliarão cenário de que adultos não vacinados foram mais afetados

Começaram ontem os ensaios clínicos com a vacina BCG, usada contra a tuberculose, para verificar a prevenção também contra a Covid-19. O trabalho será conduzido pelo Hospital da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Hospital da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), e pelo Hospital Municipal de Barueri, no Estado de São Paulo.

A iniciativa conta com investimentos de R$ 1 milhão da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). Participarão do ensaio mil profissionais da saúde. A Fiocruz também está desenvolvendo ensaios clínicos com a BCG contra o novo coronavírus.

Segundo a coordenadora da pesquisa na UFRJ, Fernanda Mello, os estudos buscam responder se a vacina ajuda na prevenção da infecção e na ocorrência de formas graves da covid-19.

"Ao avaliarmos o efeito da vacina BCG entre profissionais de saúde, esperamos verificar seu potencial para evitar o adoecimento e as formas graves da doença entre eles."

A vacina BCG, cuja sigla vem de bacilo Calmette-Guérin, está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) e, no Brasil, é obrigatória para recém-nascidos desde 1976, devendo ser tomada até os quatro anos de idade. O imunizante protege crianças de até 5 anos das formas mais graves da tuberculose.

Indicativos

A investigação para verificar a eficácia da BCG contra o novo coronavírus se baseia na hipótese de que países que mantêm o uso da vacina apresentaram menor incidência de Covid-19, quando comparados com países que suspenderam o uso universal, como Estados Unidos, Espanha e Itália. Segundo a Fiocruz, pesquisadores australianos verificaram que a BCG funciona contra outras infecções respiratórias virais.

Dados do Sistema Infogripe mostram que as internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave este ano no Brasil está baixa entre crianças e adolescentes, até 19 anos, e se concentra na faixa acima de 40 anos, principalmente acima de 60, mesma população que não foi vacinada com a BCG quando criança. Este ano 97,6% dos casos e 99,3% dos óbitos que tiveram comprovação laboratorial deram positivo para o vírus Sars-CoV-2. No ano passado, as internações por SARG se concentraram em crianças até os 2 anos, com incidência grande de vírus sincicial respiratório e Influenza A.

Quase 5 milhões de casos

O número de mortes pelo novo coronavírus chegou a 146.675. Nas últimas 24 horas, foram 323 novos óbitos. Até domingo, o total era de 146.352. Outros 2.540 óbitos estão em investigação.

Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde. O número total de casos de Covid-19 é de 4.927.235. Entre domingo e ontem, as Secretarias de Saúde acrescentaram às estatísticas 11.946 novos diagnósticos positivos da doença.

Ainda há 485.258 casos em acompanhamento. De acordo com o Ministério da Saúde, outras 4.295.302 pessoas já se recuperaram da doença.

Escrito por:

Estadão Conteudo