Publicado 08 de Outubro de 2020 - 11h55

Por Estadão Conteúdo

Natural de Amsterdã (Holanda), Eddie se mudou com a família para Pasadena, na Califórnia (EUA) na adolescência e lá começou a carreira

Divulgação

Natural de Amsterdã (Holanda), Eddie se mudou com a família para Pasadena, na Califórnia (EUA) na adolescência e lá começou a carreira

Um virtuoso da guitarra, cujos solos e riffs expandiram o universo do hard rock, o músico Eddie Van Halen morreu na última terça-feira, 6, aos 65 anos, segundo informações divulgadas por seu filho, Wolf, nas redes sociais. Ele tratava de um câncer na garganta desde 2019.

"Ele foi o melhor pai que eu poderia ter", escreveu Wolf, no Twitter. "Todo momento que eu compartilhei com ele dentro e fora do palco foi um presente. Meu coração está partido e acredito que nunca vou me recuperar totalmente dessa perda."

Por duas décadas, a Van Halen, banda fundada por ele e seu irmão mais velho Alex em 1972, dominou as paradas do hard rock norte-americano.

Eddie nasceu em Amsterdã, na Holanda, em 1955, mas ainda na adolescência se mudou com a família para Pasadena, na Califórnia (EUA). Filho de músico, ele começou a estudar piano aos seis anos, mas logo mudou seus interesses para instrumentos do rock.

Foi na Califórnia que, ao lado de David Lee Roth e do baixista Michael Anthony, o grupo começou a fazer sucesso em clubes de West Hollywood, e já com o primeiro álbum, Van Halen (1978), Eddie começou a mostrar para o mundo sua habilidade frenética na guitarra, muito marcada pela velocidade, e também pelo "tapping", a técnica de tocar o instrumento batendo com as duas mãos nas cordas na altura do braço. Suas principais influências, segundo entrevistas dele próprio, foram Eric Clapton e Jimmy Page.

Em uma pesquisa da revista americana Rolling Stone publicada em 2015, entre músicos, críticos e jornalistas, Eddie Van Halen foi eleito o oitavo melhor guitarrista de todos os tempos, na lista entre Duane Allman e Chuck Berry.

Em um estilo musical que explorou as fronteiras entre o hard rock e o heavy metal, Van Halen conquistou uma legião de fãs e fez sua banda vender milhões de cópias de álbuns como 1984 (1984), que contém o mega hit Jump. Entre 1986 e 1995, o grupo lançou quatro discos consecutivos que alcançaram o número 1 das paradas nos Estados Unidos, entre eles OU812 (1988).

Ainda nos anos 1980, Eddie viria a colaborar com Michael Jackson, com o solo na canção Beat It, do disco Thriller - e esse foi um dos motivos para a saída, bastante comentada na época, de David Lee Roth da banda, em 1984.

Roth logo foi substituído por Sammy Hagar, com quem o Van Halen emplacou seus discos e turnês mais bem sucedidos. Eddie ainda viria a trabalhar em colaborações com o Black Sabbath, Roger Waters e com o rapper LL Cool J.

Diversos problemas de saúde também marcaram sua carreira. Uma condição crônica de juntas o forçou a uma cirurgia delicada no quadril em 1999 e, no ano seguinte, ele teve de tratar um câncer na língua. Em 2007, Eddie foi internado em uma clínica de reabilitação para tratar do vício em drogas e, em 2012, uma diverticulite (inflamação no intestino) interrompeu uma das tentativas de retorno da banda com David Lee Roth. Em 2019, foi anunciado que ele estava em tratamento contra um câncer na garganta - que ele atribuía ao hábito de segurar a palheta da guitarra com a boca durante as apresentações. (Por Guilherme Sobota/Do Estadão Conteúdo)

Escrito por:

Estadão Conteúdo