Publicado 07 de Outubro de 2020 - 20h33

Por AFP

O vice-presidente americano, Mike Pence, e a senadora Kamala Harris estarão separados por barreiras de acrílico no debate desta quarta-feira (7), mas estas divisórias não os protegerão de uma possível infecção pela covid-19, alertaram os especialistas.

Não há informações de que nenhum dos dois candidatos à vice-presidência americana tenha testado positivo para o novo coronavírus, mas como não têm previsto a priori usar máscaras, não se pode descartar por completo o risco de contágio.

O fato de o presidente Donald Trump estar doente com a covid-19 levou os organizadores do debate televisionado a instalar estes painéis.

Mas especialistas em vírus respiratórios destacaram que estas divisórias transparentes só deterão as gotículas maiores que os debatedores emitirem ao respirar e falar, mas não as microgotas que podem flutuar durante minutos ou horas no ar, os chamados aerossóis, que também contêm partículas virais.

Inicialmente questionada, esta via aérea de contágio foi reconhecida oficialmente na segunda-feira pelos Centros para a Prevenção e o Controle de Doenças (CDC), uma agência federal americana, após a publicação de vários estudos desde o início da pandemia.

Donald Milton, professor de saúde ambiental da Universidade de Maryland, disse à AFP: "com 12 pés (3,6 metros) de separação entre os adversários, as barreiras de acrílico não darão proteção adicional".

"Os aerossóis viajarão facilmente entre as barreiras e inclusive podem se acumular em redemoinhos invisíveis atrás delas, piorando e não melhorando a situação", afirmou.

O especialista enviou uma carta assinada com uma colega à comissão organizadora do debate, recomendando a instalação de ventiladores com filtros de ar, mas não teve resposta.

O debate de 90 minutos entre os colegas de chapa do republicano Trump e do democrata Joe Biden ocorrerá no teatro da Universidade de Utah, em Salt Lake City, o Kingsbury Hall, um edifício de pé direito alto, datado da década de 1930.

O grande espaço da sala ajudará a diluir qualquer partícula de vírus que os debatedores possam emitir.

Após o exame positivo de Trump, anunciado na sexta-feira, dia 1º, Pence disse que havia testado negativo e que não o tinha visto desde a terça-feira, dia 29.

O problema, explicou Jelena Srebric, professora de engenharia mecânica da Universidade de Maryland e coautora da carta, é que "a concentração do patógeno aumentará com o tempo de ocupação".

Sozinhos, os sistemas de ar condicionado não costumam estar projetados para filtrar germes do ar, destacou.

Os dois cientistas propuseram uma solução econômica, baseada em artigos que podem ser encontrados nas lojas de material de construção: um ventilador ligado a um filtro de ar HEPA disposto a cada lado de cada um dos candidatos. Não é muito elegante, mas filtraria o ar de todos.

Seus experimentos demonstraram que isto poderia reduzir a concentração de partículas no ar em 50%.

De qualquer forma, disse Milton, Pence e Harris deveriam usar uma máscara.

Escrito por:

AFP