Publicado 07 de Outubro de 2020 - 19h48

Por AFP

Os candidatos à vice-presidência americana, o republicano Mike Pence e a democrata Kamala Harris, enfrentam-se nesta quarta-feira em um debate que ganhou mais relevância após a infecção do presidente Donald Trump pelo novo coronavírus.

A doença do presidente, 74 anos, somada às preocupações sobre o estado físico e a idade de seu rival, Joe Biden, três anos mais velho, aumenta o interesse pelo debate entre os vices, que acontecerá em Salt Lake City, Utah.

A menos de um mês das eleições de 3 de novembro, a infecção de Trump recoloca a pandemia entre os temas principais do debate, que terá início a 1h GMT. Os candidatos ficarão separados por proteções de acrílico e a distância entre ambos aumentará para quase quatro metros.

Esta pode ser uma grande oportunidade para a senadora Kamala Harris, 55, ex-procuradora que teve uma grande desempenho nos debates das primárias democratas, algo que não foi traduzido por um aumento nas intenções de voto. Entre os temas que Kamala poderá usar a seu favor está a gestão da pandemia que provocou mais de 209.000 mortos nos Estados Unidos, o país com mais vítimas fatais do mundo.

A Covid-19 será a terceira maior causa de mortes este ano entre os americanos. E com o anúncio do contágio do presidente, todos os olhos estarão voltados para Pence, 61, que lidera desde fevereiro a célula responsável pelo combate à pandemia no país

Este cristão evangélico tradicional compareceu a um evento na Casa Branca em 26 de setembro para a indicação da juíza conservadora Amy Coney Barrett à Suprema Corte. Embora vários participantes, incluindo o presidente e a primeira-dama Melania, tenham testado positivo para covid-19 desde então, Pence não foi infectado.

Um ponto fraco para Pence é sua função como coordenador do grupo de crise do governo para lutar contra a covid-19. A seu favor, estão sua trajetória e experiência como locutor de rádio, o que lhe permitiu um bom desempenho no debate dos candidatos a vice-presidente em 2016.

O comportamento de Trump frente a doença é especialmente criticado pelos democratas. "As máscaras salvam vidas", voltou a tuitar Kamala. O presidente respondeu dizendo que ela está "mais à esquerda do que o louco Bernie", referindo-se ao pré-candidato democrata Bernie Sanders.

"Biden não vai durar um mês", afirmou Trump, que, durante todo o dia, esteve muito ativo no Twitter.

A interrupção por Trump das negociações com a oposição democrata sobre o auxílio econômico a lares e empresas afetados pela pandemia deverá ser abordada no debate.

Trump está em desvantagem nas pesquisas de opinião e a pandemia pulverizou o mercado de trabalho e aumentou o desemprego, acabando com um dos melhores argumentos a favor de sua gestão: uma taxa de desemprego que chegou ao nível mínimo de 3,5%, mas que agora está em 7,9%.

Desde que recebeu alta do hospital militar Walter Reed na segunda-feira, o presidente sugeriu que talvez seja "imune" ao vírus e pediu aos americanos que não tenham medo da covid-19.

No outro lado da disputa está Biden, que respeita todos os conselhos dos especialistas e que manteve durante meses os deslocamentos ao mínimo. De acordo com o adversário, o candidato democrata usa a pandemia para evitar tanto os eleitores quanto os jornalistas.

Escrito por:

AFP