Publicado 07 de Outubro de 2020 - 8h43

Por AFP

As especulações sobre quem receberá o cobiçado Prêmio Nobel da Paz, a ser atribuído em Oslo na sexta-feira (9), intensificaram-se nos últimos dias. Enquanto os jogadores apontam para a Organização Mundial da Saúde (OMS), os especialistas se inclinam para a liberdade de imprensa, ou para Greta Thunberg.

Destaque da temporada do Nobel, o prêmio da paz, único concedido na capital norueguesa, suscita especulações de todos os tipos, pois a lista de candidatos permanecerá secreta por meio século.

Sabe-se apenas o número de candidatos: 318 este ano, 211 indivíduos e 107 organizações, segundo o Instituto Nobel.

"Como não existe um favorito absoluto, (...) acredito que o prêmio pode ir para uma organização que proteja jornalistas, ou para jornalistas em campo", disse o diretor do Instituto de Pesquisas para a Paz de Oslo (Prio), Henrik Urdal.

"Durante os conflitos, é muito importante que os jornalistas contribuam para dar informações sobre o que aconteceu, tanto para estabelecer responsabilidades para os lados opostos como para informar o resto do mundo para que os líderes possam avaliar a situação e considerar medidas", explicou.

Já citados no passado, as ONGs francesa Repórteres Sem Fronteiras (RSF) e a americana Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) são mencionadas com insistência.

Em um campo muito diferente, a adolescente sueca Greta Thunberg, exemplo da luta contra as mudanças climáticas, continua atual, sozinha, ou com outros militantes, tendo sido a favorita dos apostadores no ano passado.

O Nobel acabou sendo concedido ao primeiro-ministro etíope Abiy Ahmed por seus esforços de reaproximação com a Eritreia.

Embora a RSF seja sua favorita, Asle Sveen, um historiador do Nobel, vê Greta Thunberg como "uma candidata possível, com certeza".

Depois da paquistanesa Malala, a escandinava seria a segunda mais jovem laureada em quase 120 anos de história do Nobel.

"Embora estejamos atualmente no meio de uma pandemia, a mudança climática no longo prazo é muito mais séria" do que a covid-19, enfatiza Sveen.

A pandemia de coronavírus impulsionou a Organização Mundial da Saúde (OMS) como favorita nos sites de apostas on-line, à frente de Greta Thunberg.

Este prêmio, que seria o 12o da história a ser relacionado às Nações Unidas, representaria para os cinco membros do comitê do Nobel uma forma de saudar o caminho do multilateralismo no combate à doença.

Mas a OMS também foi muito criticada por sua suposta lentidão em reagir, segundo Donald Trump, devido à influência que a China ali exerce.

De qualquer modo, a indicação deve ser proposta a tempo: o estado de "pandemia" foi declarado em 11 de março, quando as candidaturas já haviam encerrado em 31 de janeiro. E os membros do comitê do Nobel não podem somar suas próprias propostas até a primeira reunião, que foi realizada em janeiro.

Escrito por:

AFP