Publicado 06 de Outubro de 2020 - 20h03

Por AFP

Os agentes do Serviço Secreto que protegem a Casa Branca estão sempre prontos para "levar um tiro" para salvar o presidente Donald Trump, mas agora o perigo é o próprio presidente, infectado com covid-19.

A recusa do presidente dos Estados Unidos em usar máscaras na Casa Branca contribuiu para a disseminação do coronavírus em seu círculo e entre seus assessores, incluindo possivelmente dezenas de agentes do Serviço Secreto, de acordo com vários relatos da mídia.

Enquanto ainda estava internado no hospital militar Walter Reed, Trump aumentou o risco ao solicitar que uma equipe do Serviço Secreto o acompanhasse quando ele saísse para cumprimentar seus apoiadores.

Trump e seus guarda-costas usaram máscaras, mas estavam todos dentro do mesmo veículo com as janelas fechadas, em um momento em que especialistas acreditam que o presidente estava em um estágio altamente contagioso da doença.

"Isso é loucura", criticou no Twitter James Phillips, médico do hospital Walter Reed, que prescreveu que todos os que estavam na viagem ficassem em quarentena por 14 dias. "Eles podem ficar doentes. Podem morrer. Por causa de uma encenação política", acrescentou.

O porta-voz da Casa Branca, Judd Deere, afirmou que eles tomaram as "precauções adequadas" durante o trajeto. "A ação foi autorizada pela equipe médica", argumentou.

O risco faz parte do trabalho de uma divisão de elite da equipe de segurança do presidente. Os agentes viajam com ele e o vice-presidente o tempo todo, colocando-se entre um agressor em potencial e seus protegidos.

Em 1963, o agente Clint Hill se jogou sobre os corpos do presidente John F. Kennedy e de sua esposa Jacqueline depois que o presidente recebeu um tiro fatal enquanto viajava em um conversível.

"Se eu tivesse reagido um pouco antes", lamentou Hill mais tarde. "Vou viver com isso até o dia de minha morte", acrescentou.

Em 1981, o agente Tim McCarthy protegeu Ronald Reagan com o próprio corpo e o empurrou para dentro de sua limusine depois que tiros foram disparados contra ele e outra duas pessoas.

"Faz parte do trabalho", disse Ronald Kessler, autor de dois livros sobre o Serviço Secreto. "Quando eles se inscrevem, sabem que estão em perigo, que podem ser baleados".

Mas os riscos da pandemia de covid-19 representam uma ameaça diferente.

Dada a desvantagem nas pesquisas frente a seu adversário democrata, Joe Biden, Trump viajou por todo o país para realizar comícios e cerimônias de arrecadação de fundos, sem exigir o uso de máscaras ou respeitar o distanciamento social.

Vários agentes do Serviço Secreto foram forçados a entrar em quarentena após um comício em Tulsa, Oklahoma, e o mesmo aconteceu após um discurso do presidente em Tampa, Flórida, segundo o jornal The Washington Post.

Escrito por:

AFP