Publicado 05 de Outubro de 2020 - 12h24

Por AFP

A polícia alemã descreveu, nesta segunda-feira (5), como possível ato antissemita a tentativa de assassinato de um estudante judeu no domingo, em frente à sinagoga de Hamburgo (noroeste).

A vítima estava prestes a entrar no templo, no dia do Sucot, ou "festa das cabanas", quando foi violentamente atingida com uma pá na cabeça. Conseguiu escapar de seu agressor e receber os primeiros socorros antes de ser levada ao hospital. Segundo a polícia, o jovem está "gravemente ferido".

O suspeito da agressão, um alemão de 29 anos, vestido com um uniforme do Exército, foi imediatamente detido pela polícia que, como ocorre em todas as sinagogas da Alemanha, fica de guarda do lado de fora.

Durante a detenção, encontraram uma folha com um desenho da suástica. O suspeito dava a impressão de estar "muito confuso", o que complicou seu interrogatório, segundo o porta-voz da polícia de Hamburgo.

Também analisam a origem do uniforme militar do detido.

"O estudo das circunstâncias nos leva a pensar em um ataque antissemita", anunciou a polícia nesta segunda-feira. As primeiras investigações permitiram descartar possíveis cúmplices.

O ato foi qualificado pela chanceler alemã, Angela Merkel, como uma "vergonha".

"Toda a sociedade deve dizer claramente: esses atos são uma afronta", disse, por sua vez, o porta-voz do governo, Steffen Seiber.

Este ataque ocorre quase um ano depois do atentado frustrado contra a sinagoga de Halle (leste) durante a celebração do Yom Kipur, a festividade judaica mais importante, em 9 de outubro de 2019.

Os crimes antissemitas e islamofóbicos, em sua maioria cometidos por simpatizantes da extrema direita, aumentaram 13% na Alemanha em relação a 2019.

mat/dac/mba/grp/mb/aa/tt

ROTHSCHILD & CO

Escrito por:

AFP