Publicado 05 de Outubro de 2020 - 11h55

Por Estadão Conteúdo

O vice-presidente e chefe do Conselho Nacional da Amazônia Legal, Hamilton Mourão, repetiu nesta segunda-feira, 5, que o País tem sofrido ataques internacionais por causa de "uma questão ideológica" contrária ao presidente Jair Bolsonaro, a despeito do que "está acontecendo efetivamente". Mourão e o governo têm sido pressionados por diversos setores, entre eles o agronegócio, fundos internacionais, organizações não-governamentais, e órgãos legislativos, para conter os incêndios florestais históricos que acometem a região da Amazônia e o Pantanal.

Em entrevista à rádio Eldorado, Mourão afirmou que, segundo dados dos IBGE, entre 2000 e 2018, da floresta amazônica 269,8 mil km2 foram desmatados, ou seja uma média de 15 mil km2 por ano. "E todo mundo ficou em silêncio. Não tinha ninguém reclamando nesse período", afirmou Mourão.

Entretanto, Mourão deixou de ressaltar que o estudo do instituto aponta uma desaceleração nas perdas de áreas naturais no País entre os anos 2000 e 2018, revertida durante o governo Bolsonaro. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), entre agosto do ano passado e julho deste ano, os alertas de desmatamento na Amazônia tiveram um aumento de 34,5%, na comparação com os 12 meses anteriores.

Entre as propostas para custear obras de infraestrutura e as ações direcionadas ao desenvolvimento sustentável, o governo analisa usar recursos de doações privadas. "Não adianta jogar R$ 1 bilhão dentro do nosso orçamento federal advindo de doações porque ele impacta o teto de gastos. Eu tenho que tirar para o outro lado esse mesmo R$ 1 bilhão que entrou. Na minha visão o financiamento ele é muito mais do setor privado direto em projetos que sejam exequíveis na área do desenvolvimento", afirmou Mourão.

De acordo com o vice-presidente - apesar da fala de que há um interesse em "explorar a Amazônia com os Estados Unidos" feita por Bolsonaro ao ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore, durante a Sessão Plenária do Fórum Econômico Mundial de 2019, em Davos, na Suíça -, o País não quer trazer nenhum grupo estrangeiro específico para explorar a Amazônia.

Mourão também defendeu o uso das terras indígenas para a exploração de recursos minerais, por meio de regulamentação do Congresso Nacional e afirmou que a concessão de lavra a empresas geraria impostos e royalties para a população indígena.

Escrito por:

Estadão Conteúdo