Publicado 11 de Setembro de 2020 - 19h05

Ao menos 31 motoboys e entregadores de aplicativo realizaram, na manhã de ontem, protestaram e homenagem ao pizzaiolo Antônio de Souza Vieira, de 48 anos, que morreu na noite da última terça-feira após colidir sua moto em um pilar de concreto que sustentava tela, nas obras do BRT (Bus Rapid Transit, Transporte Rápido por Ônibus), no Jardim Campos Elíseos, em Campinas. A manifestação começou por volta das 8h, no bairro Cambuí, e seguiu pela cidade até o Cemitério Parque das Flores, na região do Satélite Iris, onde o corpo da vítima foi enterrado, por volta das 10h.

Os manifestantes fizeram o percurso pela região central da cidade até chegar a Rua Piracicaba, onde aconteceu a tragédia, e depois seguiram para o cemitério. No local, os motoboys fizeram um minuto de silêncio em memória do amigo, que também trabalhava para aplicativos de entrega.

Além do intuito de prestar homenagem a Vieira, os participantes do ato reivindicaram melhorias na sinalização da região de obras do Corredor BRT. A família da vítima e motoristas, que trafegam pelos corredores, afirmam que há trechos com sinalização deficiente, uma vez que não existem faixas refletivas, o que dificulta a visão dos motoristas e motociclistas, principalmente no período noturno do dia.

Vieira morreu quando voltava do trabalho para casa, por volta das 19h da última terça-feira. Ele colidiu com a moto em pilar de sustentação da tela de proteção, em seguida caiu. Amigos e a família da vítima acreditam que o acidente foi causado pela falta de sinalização adequada no local.

Emdec

Em nota, anteriormente, a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) afirmou que realizou vistoria com a empresa responsável pela obra logo após o acidente, e constatou que a sinalização no local estava adequada. Também disse que o motociclista usava a faixa destinada aos ônibus.

De acordo com a empresa, em locais com obras, a velocidade máxima é de 40 km/h e outros trechos, de 30 km/h. “É dever de todo motorista redobrar a atenção em locais com obras e respeitar a sinalização”, enfatizou e acrescentou: “Sobre iluminação pública, a gestão não é da Emdec. Os corredores BRT, que são exclusivos para ônibus, quando entregues, contarão com iluminação em LED, de alta qualidade de luminescência, em toda a sua extensão”.

O protesto não teve reflexo no trânsito, e não foi acompanhado pela Emdec ou pela Polícia Militar.