Publicado 19 de Setembro de 2020 - 21h30

Por Gustavo Magnusson/AAN

Ex-Operário, volante Bruno Reis disputa bola no meio-campo

Leandro Ferreira / AAN

Ex-Operário, volante Bruno Reis disputa bola no meio-campo

Após o frustrante empate com o América-MG pela Copa do Brasil, a Ponte Preta voltou a tropeçar no Moisés Lucarelli, desta vez pela Série B, e ficou apenas no empate em 1 a 1 com o Operário, na noite de ontem, pela 10ª rodada. Mesmo com um golaço de Apodi no primeiro tempo, a Macaca mais uma vez não conseguiu segurar a vantagem no placar e perdeu a chance de emplacar a sua terceira vitória seguida na competição. Apesar disso, a Ponte garantiu a manutenção no G-4, com 18 pontos.

Comemorando 50 jogos à frente da equipe, o técnico João Brigatti promoveu o retorno do esquema 4-4-2 e também duas mudanças no time titular em relação às duas últimas partidas: as saídas de Dawhan e Moisés, dando lugar a Bruno Reis, ex-Operário, e Luan Dias. Com as alterações, a Ponte Preta quase abriu o placar aos 10', quando Matheus Peixoto cabeceou livre de marcação e exigiu grande defesa de Thiago Braga. Aos 22', o arqueiro não teve chance nenhuma em chute de fora da área de Apodi. O lateral-direito recebeu grande invertida de bola de Bruno Rodrigues, cortou para o meio e soltou a bomba no ângulo para marcar o seu primeiro gol com a camisa da Macaca.

Na segundo tempo, o Operário quase empatou aos 7', quando Tomas Bastos cobrou falta no travessão. Ele já havia exigido grande defesa de Ivan no fim do primeiro tempo, também em bola parada. Na terceira chance, Bastos não desperdiçou. Ele apareceu sozinho na área e estufou as redes, após rebatida de bola que envolveu a defesa pontepretana e Roger, que retornava ao Majestoso para enfrentar seu ex-clube.

A Ponte Preta volta a campo pela Série B no próximo domingo contra o Confiança, novamente no Majestoso. Antes disso, na terça-feira, a Macaca visita o América-MG em busca de uma vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil.

Arena

Em reunião virtual realizada na manhã de ontem, o Conselho Deliberativo da Ponte Preta aprovou, com 93,4% dos votos, o projeto de construção da nova arena do clube, em parceria com a construtora WTorre, a mesma que administra o Allianz Parque, em São Paulo. Trata-se do primeiro passo para a concretização de um novo estádio que terá 21.236 lugares, todos os setores cobertos e assentos individuais, além de mais de 50 camarotes e estacionamento próprio. O projeto também inclui um espaço anexo exclusivamente dedicados a eventos, com capacidade para cerca de 6 mil pessoas. O valor total do empreendimento corresponde a R$ 250 milhões e será totalmente custeado pela iniciativa privada.

“É preciso deixar claro que a aprovação do Conselho não é um cheque em branco para a Diretoria Executiva ou para a WTorre. Pelo contrário, é um fator a mais de responsabilidade para que este projeto continue transcorrendo com muita transparência e no qual todas as decisões sejam tomadas de maneira clara e democrática pelas instâncias da Ponte em conjunto”, explicou o presidente da Ponte Preta, Sebastião Arcanjo, o Tiãozinho. Após a captação dos recursos e as aprovações legais necessárias, a estimativa para conclusão da nova arena da Macaca é de até dois anos.

FICHA TÉCNICA:

PONTE PRETA ( 1 )

Ivan; Apodi (Dawhan 29/2º), Alisson e Wellington Carvalho e Guilherme Lazaroni; Luís Oyama (Neto Moura 29/2º), Bruno Reis, João Paulo e Luan Dias (Zé Roberto 22/2º); Bruno Rodrigues (Moisés 23/2º) e Matheus Peixoto (Guilherme Pato 36/2º). Técnico: João Brigatti.

OPERÁRIO ( 1 )

Thiago Braga; Sávio, Juan Sosa (Peixoto 40/2º), Reniê e Fabiano; Pedro Ken (Mazinho 32/2º), Clayton (Jean Carlo 18/2º), Tomas Bastos e Thomaz; Maranhão (Douglas Coutinho 18/2º) e Roger (Schumacher 40/2º). Técnico: Gerson Gusmão.

Gols: Apodi, aos 22' do 1º tempo; Tomas Bastos, aos 21' do 2º tempo.

Local: Moisés Lucarelli.

Público e Renda: Portões fechados.

Juiz: Alisson Sidnei Furtado (TO).

Cartões amarelos: Wellington Carvalho, Luís Oyama e João Paulo (PP); Clayton (O)

Escrito por:

Gustavo Magnusson/AAN