Publicado 25 de Setembro de 2020 - 7h05

Por Maria Teresa Costa

O plano de governo do candidato Helio de Oliveira Santos (PDT) a prefeito de Campinas vai elencar as prioridades e metas para os primeiros dois anos de gestão. Ele está sendo construído com apoio de ex-secretários, representantes de sindicatos, associações e movimentos sociais. O plano, segundo Helio, vai tratar das áreas impactadas pela pandemia, como saúde, finanças, emprego, educação, direitos humanos. As propostas que foram entregues pela Feac aos candidatos também estarão no plano.

Camprev não vai receber

Chegou à Câmara projeto do prefeito Jonas Donizette para suspender, até o final do ano, os pagamentos das contribuições previdenciárias patronais e dos parcelamentos devidos ao Camprev. O argumento é a pandemia, que obrigou aumento de gastos na saúde e a receita municipal entrou em forte declínio. Lei federal de maio prevê a suspensão dos pagamentos de refinanciamento de dívidas dos municípios com a Previdência Social e das contribuições dos regimes próprios.

Candidaturas

Até a tarde de ontem, 17 partidos de Campinas pediram registro para candidatos a vereador nas eleições deste ano. Até agora são 664 nomes na disputa. Seis candidatos a prefeito estão com os pedidos em análise: André Von Zuben (Cidadania), Dario Saadi (Repub), Helio de Oliveira Santos (PDT), Laura Leal (PSTU), Pedro Tourinho (PT) e Rafa Zimbaldi (PL). Os partidos têm até a manhã para pedir o registro.

Recurso

Câmara entrou com recurso contra a liminar concedida em mandado de segurança impetrado pelo vereador Marcelo Silva (PSB), que suspendeu o veto do prefeito Jonas Donizette ao projeto que dava isenção de ISS a profissionais liberais durante a pandemia. O vereador entende que a manutenção do veto precisa do voto da maioria absoluta dos vereadores, mas para a Câmara, a maioria absoluta é necessária para a rejeição.

Comissão

A Comissão de Política Social e Saúde da Câmara de Campinas faz reunião virtual hoje, às 16 horas, para debater as questões relacionadas ao SUS (Sistema Único de Saúde) e as ações de reintegração de posse em tempos de pandemia.

Internet

O líder de governo, Luiz Rossini (PV), retirou da pauta de votação, ontem, o projeto que prorroga por um ano os contratos emergenciais de 238 profissionais da saúde. Teve receio de falta de quorum para a aprovação, porque precisava de no mínimo 17 votos.

Desconexão

Com sessão online, a internet derrubou conexões de vários vereadores. Havia 22 vereadores na teleconferência, mas o presidente não vota. Se a conexão caísse, havia o risco de não alcançar os votos necessários.

Sem aulas

Paulínia não vai retomar as aulas presenciais nas redes municipal, estadual e particular em outubro. A decisão foi tomada esta semana pelo Comitê de Enfrentamento e Prevenção do Coronavírus. O Conselho Municipal de Educação e o grupo que analisar a situação específica da educação.

Volta às aulas

Há uma tendência de que o prefeito Jonas Donizette defina pelo retorno às aulas nas escolas municipais apenas em 2021. O assunto vem sendo discutido na Prefeitura, mas a decisão ainda não foi tomada. Jonas havia autorizado o retorno em 7 de outubro dos 5º e 9º ano do ensino fundamental, do EJA e dos cursos profissionalizantes do Ceprocamp e deixou facultativa a retomada no próximo mês das escolas particulares. A pressão de professores, pais e responsáveis para cancelar o retorno este ano é grande.

Maria Teresa Costa, jornalista

Escrito por:

Maria Teresa Costa