Publicado 15 de Setembro de 2020 - 3h57

Por Maria Teresa Costa

Hospital Mário Gatti: em setembro, até esta segunda-feira (13), houve mais 2.672 infectados, com a média diária caindo para 190,8

Cedoc/RAC

Hospital Mário Gatti: em setembro, até esta segunda-feira (13), houve mais 2.672 infectados, com a média diária caindo para 190,8

Após enfrentar o pico de novos casos confirmados e mortes diárias de Covid-19 em julho, Campinas entrou em uma curva decrescente de transmissão do novo coronavírus e mortes pela Covid-19, seguindo tendência de queda que ocorre em todo o Estado. Entre julho e esta segunda-feira (14), a média diária de registros caiu 40,52% e a de mortes, 39,84%. Esses indicadores retornaram aos patamares diários da pandemia de junho na cidade. Campinas chegou nesta segunda-feira (14) a 30.345 casos confirmados e a 1.125 mortes.

Em junho, a cidade confirmou 6.672 novos casos, média diária de 222,6; em julho foram mais 9.947 novos casos de Covid, com uma média diária de 320,8. Em agosto, 9.440 novos casos – média diária de 304,5 – e em setembro, até esta segunda-feira, mais 2.672 infectados, com a média diária caindo para 190,8 registros. Já as mortes caíram de 8,13 na média diária em junho, para 12,7 em julho, para 9,9 em agosto e agora está em 7,6.

O Estado de São Paulo vem tendo quedas consistentes nos indicadores, o que mostra, segundo o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, que a pandemia está sob controle. Dados divulgados nesta segunda-feira (14) pelo governador João Doria (PSDB), mostram que a média diária de mortes provocadas pelo coronavírus está em queda pela quinta semana consecutiva e chega ao menor patamar desde o final de maio.

De acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde, a média diária estadual de novas mortes por COVID-19 na última semana epidemiológica, entre 6 e 12 de setembro, ficou em 179 casos. Houve redução de 8,7% em relação ao período imediatamente anterior, de 30 de agosto a 5 de setembro. A média atual de óbitos por coronavírus também é a menor verificada desde meados de maio.

A média diária de internações em todo o Estado também teve redução pela quinta semana seguida, com 1.303 registros, 8,2% a menos do que o verificado no período imediatamente anterior.

A média estadual de hospitalizações em decorrência da pandemia também é a mais baixa das últimas 18 semanas, o que permitiu que a taxa de ocupação de leitos de UTI para pacientes graves com coronavírus caísse a 51,1%. Este é o menor índice desde o início da pandemia, em março.

Os dados também apontam queda robusta de 27,2% na média diária de novos casos confirmados de Covid-19 em São Paulo. Foram registradas, em média, 5.372 infecções diária por coronavírus entre 6 e 12 de setembro, ante 7.380 na semana epidemiológica anterior. É a quarta semana seguida em que o contágio mostra refreamento em todo o estado.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Carmino de Souza, o cenário atual ainda exige muitos cuidados e não é motivo para relaxar nas medidas de enfrentamento da pandemia. O cenário, disse, mostra que Campinas está evoluindo positivamente no combate à disseminação do novo coronavírus.

Em julho, pico da pandemia na cidade, de cada 100 pessoas com os sintomas da doença, 75 testavam positivo. Nas últimas semanas a queda é acentuada e atualmente de cada 100 testados, 10 tem resultado positivo.

“Nós subimos a montanha em julho, passamos algumas semanas com quase todos os leitos de UTI ocupados e agora estamos descendo. Hoje descartamos mais casos do que confirmamos”, disse.

Escrito por:

Maria Teresa Costa