Publicado 14 de Setembro de 2020 - 8h01

Por AFP

Os aliados do opositor russo Alexei Navalny reivindicaram nesta segunda-feira (14) vitórias simbólicas em duas cidades da Sibéria, região em que ele foi supostamente envenenado, após eleições regionais dominadas pelo partido do Kremlin e marcadas por acusações de irregularidades.

Em 41 das 85 regiões russas, eleitores foram convocados a escolher os governadores, representantes nas assembleias regionais, ou municipais, e quatro deputados para o Parlamento nacional.

Os candidatos do partido governista, Rússia Unida, preeminente na vida política, apesar da queda de popularidade nos últimos anos, conquistaram a maioria das cadeiras em disputa, de acordo com o líder da sigla, o ex-presidente e ex-primeiro-ministro Dmitri Medvedev.

"Nosso partido é o primeiro em todos os lugares onde foram realizadas eleições para os parlamentos regionais e em termos de mandatos obtidos", celebrou.

Apesar das eleições para governadores, os olhares estavam voltados para as disputas municipais em Tomsk e em Novosibirsk, na Sibéria, onde o principal opositor do Kremlin, Alexei Navalny, fazia uma investigação sobre a corrupção da elite local e organizava a campanha de seus aliados. No fim de agosto, porém, ele foi envenenado com um agente neurotóxico de tipo militar, identificado pelos médicos que o atenderam na Alemanha.

Em Tomsk, os dois candidatos partidários de Alexei Navalny foram eleitos para o Parlamento municipal.

Andrei Fateev e Ksenia Fadeeva venceram em duas circunscrições, de acordo com os dados preliminares da Comissão Eleitoral.

Ao mesmo tempo, o Rússia Unida, legenda que apoia o presidente Vladimir Putin, foi o mais votado nesta cidade da Sibéria de 500.000 habitantes, com 24,46% dos votos. O resultado está muito longe, no entanto, dos 52,27% obtidos nas eleições.

E, no lugar de 32 cadeiras de um total de 37, o Rússia Unida terá apenas dez: as demais vagas foram distribuídas entre vários partidos.

"Acho que todos entenderão que vencer em Tomsk era uma questão de princípio depois do que aconteceu", tuitou Ksenia Fadeeva.

O Fundo de Luta Contra a Corrupção (FBK) de Navalny - que quando não tinha candidato pedia votos para o aspirante com mais possibilidades de derrotar o partido do governo - reivindicou sua parte no sucesso de outras siglas.

Em um contexto econômico e social difícil, com acusações de corrupção e diante de uma impopular reforma das Previdência, a popularidade do partido de Putin registra forte queda a um ano das eleições legislativas de setembro de 2021.

Para as eleições do próximo ano, Rússia Unida tem apenas 30% das intenções de votos nas pesquisas.

Em Novosibirsk, terceira maior cidade do país, a equipe de Navalny reivindicou a vitória de Serguei Boiko, líder de uma coalizão opositora.

Escrito por:

AFP