Publicado 13 de Setembro de 2020 - 18h41

Por AFP

Após um começo turbulento, o técnico Domènec Torrent conseguiu ajustar o rumo e o Flamengo se prepara para retomar a defesa do título da Copa Libertadores da América.

A estreia do novo treinador na competição continental acontece poucas semanas após o clube rubro-negro flertar com a zona do rebaixamento no início do Campeonato Brasileiro, competição que teve atuações decepcionantes nas primeiras rodadas.

Agora, o time carioca vislumbra a liderança do torneio nacional e se prepara para, novamente surgir como favorito ao título da principal competição sul-americana depois da parada forçada pela pandemia da covid-19.

A vitória por 2 a 1 na quarta-feira passada no clássico carioca contra o Fluminense consolidou o ressurgimento do Fla. Com 17 pontos em nove partidas no Brasileirão, está três pontos atrás do líder Internacional e com uma invencibilidade de sete jogos (cinco vitórias e dois empates).

A manutenção das principais peças envolvidas na conquista da Libertadores no ano passado e a contratação de reforços pontuais mas de peso são a carta de apresentação do Rubro-Negro para seguir se destacando no Grupo A da competição continental.

Nas duas primeiras partidas antes da interrupção provocada pelo coronavírus, em março, ainda sob o comando do português Jorge Jesús, o Flamengo derrotou o colombiano Atlético Junior por 2 a 1, em Barranquilla, e o equatoriano Barcelona de Guayaquil por 3 a 0, no Rio.

No dia 17 de setembro, o time da Gávea volta à competição contra o líder da chave, o equatoriano Independiente del Valle, atual campeão da Copa Sul-Americana, na altitude de Quito.

À frente do clube com uma das maiores torcidas do Brasil, Torrent tem como meta obter grandes conquistas como as que alcançou quando era auxiliar técnico de Pep Guardiola no Barcelona, Bayern de Munique e Manchester City.

Além disso, substitui no cargo o português Jorge Jesus, agora no Benfica de Portugal, que em treze meses como técnico do Flamengo ergueu praticamente todos os troféus que disputou, cinco no total, com destaque para o Brasileiro, a Recopa Sul-Americana e Libertadores.

"Todo mundo quer vencer o Flamengo porque o Flamengo venceu quase todo mundo no ano passado", disse Torrent. Mas "eu sou um vencedor".

O treinador herdou praticamente a mesma equipe que trabalhou com Jesus, a exceção da saída de Rafinha para o grego Olympiacos, e a chegada do chileno Mauricio Isla.

Seu desafio é implementar uma filosofia que herdou de Guardiola, aprendida com o holandês Johan Cruyff, mas que não obteve frutos ao ser aplicada anteriormente na América do Sul.

Um exemplo foi o que aconteceu com o espanhol Juan Manuel Lillo, agora assistente de Pep Guardiola no Manchester City. Sua passagem pelos colombianos Atlético Nacional (2017) e Millonarios (2014) não deixou saudades nos torcedores locais.

Torrent também começou com o pé esquerdo quando estreou com duas derrotas no Brasileirão.

"Precisamos de tempo (...) Eu preciso e os jogadores precisam", disse o catalão de 58 anos quando as críticas aumentaram.

Dirigentes e jogadores fecharam fileiras em torno do novo comandante. Por conta dos resultados recentes e os lampejos do bom futebol, a aposta parece estar dando certo.

Escrito por:

AFP